icons.title signature.placeholder Bruno Cassucci
06/11/2014
09:03

Luis Alvaro Ribeiro foi eleito presidente do Santos em 2009 e reeleito em 2011 tendo Odílio Rodrigues como vice. No período em que trabalharam juntos no clube, criaram relação de amizade e respeito, mas hoje o clima não é bom. Apoiador de Fernando Silva, candidato da oposição na eleição presidencial do Peixe em dezembro, Luis Alvaro fez críticas à gestão de Odílio, fato que chateou o seu sucessor.

Para o atual presidente alvinegro, falta coerência a Luis Alvaro, que, segundo ele, toma para si as coisas boas da gestão de ambos, e deixa com Odílio apenas os fracassos. Visivelmente emocionado, o dirigente santista comentou sobre o tema em entrevista na última terça-feira, durante festa do lançamento da candidatura em São Paulo de Nabil Khaznadar, do grupo situacionista.

- Fiquei surpreso com o apoio do Luis Alvaro ao Fernando. Ele é uma pessoa que eu tenho um respeito grande e quero bem, aprendi a admirar o amor dele pelo Santos, a capacidade dele de comunicação, tudo que ele conquistou... E quando você gosta das pessoas você busca coerência. Fiquei aborrecido, contrariado com a incoerência dele de apoiar um candidato que hoje se coloca como oposição ao mandato dele mesmo. O Luis Alvaro cumpriu mais de 70% do mandato, um mandato vitorioso, com conquistas e avanços, e acho incoerente ele apoiar hoje alguém que se diz oposição - afirmou Odílio.

- Não esperava essa incoerência dele. Pelo que o Luis Alvaro representa como dirigente, as pessoas gostam dele, ele tem um poder de convencimento grande, e ele ajudaria muito se mantivesse a coerência e estivesse do nosso lado. Quando um presidente renuncia, sai de lá, as pessoas que continuaram lá estão cumprindo o mandato dele, os compromissos assumidos no primeiro dia da gestão. Estamos cumprindo todos e vamos cumprir até o último dia. Acho incoerente ele tentar dividir o mandato em dois momentos, sendo o dele o das vitórias e o nosso o da remodelação do clube. Essa incoerência não está certa - opinou o presidente santista.

Odílio ainda comentou a aliança ensaiada entre os candidatos Fernando Silva e Modesto Roma, este apoiado por Marcelo Teixeira, inimigo histórico de Luis Alvaro na política santista.

- Eu penso que a gente não pode buscar o poder pelo poder. Não pode fazer todo tipo de composição e aliança em função do desejo pelo poder. Espero sempre que as pessoas que se candidatam a um cargo tenham além das propostas também um fundamento que é a coerência. Não posso me aliar a pessoas que lá atrás eu combati, pois têm propostas diferentes. Não digo defeito de pessoa, mas mudança de pensamento - falou.