icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
16/12/2013
08:51

Abel Braga chegará ao Internacional neste terça-feira, mais de cinco anos depois de sua última partida no comando do clube gaúcho. E reencontrará quatro jogadores que comandou no atual elenco colorado: Muriel, Índio, Alex e Rafael Moura.

Os três primeiros, Abel comandou no mesmo Internacional. Muriel ainda era uma promessa. Rodou por Portuguesa e Caxias até se firmar como titular absoluto do gol colorado, em 2011. Posição que ostenta até hoje.

Índio é um capítulo à parte. O zagueiro chegou ao clube gaúcho em 2009. Desde então, não saiu mais. Esteve em todas as grandes conquistas colorados dos últimos anos. É campeão mundial e bicampeão da Libertadores, além de campeão da Copa Sul-Americana. Mesmo aos 38 anos, deve ter seu contrato renovado por mais uma temporada. É jogador da confiança do técnico.

Alex deu seus primeiros passos no Inter com Abel. Assim como o camisa 3, chegou ao Inter em 2004. Pouco jogou nos dois primeiros anos. Em 2006, foi inscrito na segunda fase da Libertadores e virou titular de Abelão. Seu principal momento no Inter foi em 2008, quando jogou quase como segundo atacante. Rodou por Spartak Moscou, Corinthians e Al-Gharafa antes de retornar ao clube gaúcho.

Já o centroavante foi o único que não esteve sob o comando de Abel no Beira-Rio. O He-Man era peça importante do Fluminense em 2012, sob o comando do treinador. O próprio tratou de elogiá-lo antes de chegar a Porto Alegre.

- Teve uma época no Fluminense que o Rafael Moura tinha mais gols que o Fred. Vai dar a resposta - disse Abel para a Rádio Gaúcha.

O desafio do treinador campeão do mundo e da Libertadores em 2006 será ajeitar um vestiário que vive dias conturbados. Em 2012, houve problemas. Na reta final de 2013, especialmente, também. O vice de futebol Marcelo Medeiros deixa claro que o Inter parte em busca de jogadores velozes e que queiram mostrar serviço, em uma mudança de filosofia. E o elenco passa por uma reformulação.

- Estamos mexendo no elenco, mas sem nenhuma revolução - diz Medeiros.