Jaqueline Ferreira - Petrobrás

Jaqueline Ferreira entrará na Vila olímpica no dia 1o. de agosto (Foto: Steferson Faria)

LANCE!
20/07/2016
16:48
Rio de janeiro

Se houve uma convocação polêmica para os Jogos Olímpicos Rio 2016, esta foi no levantamento de peso. Atleta do Time Petrobras, Jaqueline Ferreira se viu, no último mês de junho, sendo contestada por um dos técnicos da Seleção, que preferia Bruna Piloto na lista. No entanto, garante ela, a preparação não foi atrapalhada.

- Sempre que tem esse limitador de vagas, tem polêmica. Quem fica fora quer defender o seu. Acho normal cada um lutar por seus objetivos e sonhos. Eu estava aguardando a definição da confederação. Graças a Deus foi “sim”. Estou cumprindo a determinação da confederação e não tenho nada a dizer contra a outra menina. Já vivi isso em outras ocasiões e sei que é difícil. Todo mundo treina, todo mundo quer a vaga na equipe – disse Jaqueline em evento na sede da Petrobras, no Rio de Janeiro.

A Confederação Brasileira de Levantamento de Peso (CBLP) se defendeu, lembrando que a escolha obedeceu à média dos três melhores resultados obtidos pelos atletas em cinco competições disputadas em 2015 e 2016 e não apenas nos torneios realizados este ano. Os eventos levados em conta para a corrida olímpica foram Jogos Pan-americanos de Toronto 2015, Campeonato Mundial 2015, Brasileiro 2015, Campeonato Sul-Americano 2016 e Campeonato Pan-Americano 2016.

Técnico da Seleção Brasileira e de Bruna Piloto no Esporte Clube Pinheiros, o cubano Luis Lopez revelou que sofreu interferência da CBLP na escolha dos levantadores. Após o episódio, Jaqueline não se juntou mais ao grupo que vem treinando em Guaratiba, no Rio de Janeiro. Ela preferiu trabalhar à parte com o também técnico da Seleção, o romeno Dragos Doru Stanica:

- Preferi treinar em casa, me sinto mais tranquila. Tive essa opção. Não tenho muito relação com o cubano, mas a vida continua. Continuo trabalhando firme para os Jogos.

Natural de Duque de Caxias, Jaqueline estará em casa no Rio. Será a segunda vez que ela disputará os Jogos Olímpicos, após fazer história em Londres, há quatro anos. Na ocasião, ela terminou a competição em oitavo lugar, quebrando o recorde brasileiro na categoria até 75 kg e conseguindo o melhor resultado olímpico do Brasil na história, superando a nona colocação de Maria Elizabete Jorge, na categoria até 48kg nos Jogos de Sydney, em 2000.

- Tive uma grande evolução em quatro anos. Isso se deve muito ao apoio da Petrobras, que começou logo depois de Londres. Na época, estava bem treinada, mas não tinha estrutura. Hoje me alimento muito bem, consigo manter um apartamento perto de onde treino.

Daqui até a entrada na Vila dos atletas, no dia 1º. de agosto, Jaqueline manterá a rotina de treinos diários com cinco a seis horas por dia de trabalho em dois períodos. Na opinião dela, as atletas de Rússia, Cazaquistão, China e Coreia do Norte são as favoritas na disputa olímpica.

- Não prometo medalha, mas vou lutar para ficar nas primeiras posições – garante ela.

Além de Jaqueline, os outros quatro representantes do Brasil no levantamento de peso no Rio de Janeiro são Fernando Reis (acima de 105kg), Mateus Gregório (105kg), Welisson Rosa (85kg) e Rosane Reis (53kg).