Juan Del Potro

JUan Del Potro. Crédito: Reprodução Twitter

LANCE!
24/03/2016
12:29

Após bater Guido Pella, 39º, por 6/0 7/6, Juan Martin Del Potro, que joga apenas seu terceiro torneio após onze meses fora, não escondeu a emoção de poder enfrentar Roger Federer nesta sexta-feira na segunda fase no Masters 1000 de Miami, na Flórida.

"Partidas contra o Federer ou o Berdych (em Indian Wells), que são os melhores do mundo, são as que senti falta , estive muito triste em casa quando via pela televisão. A realidade indica que vou enfrentat o melhor da história do tênis e obviamente gostaria de estar em melhores condições . Vou enfrentá-lo com o que tenho, será um momento único que senti muita falta mais do que o resultado", disse o argentino que já foi top 4 e enfrentou 20 vezes o suíço com uma emblemática vitória na final do US Open de 2009 e uma derrota conhecida na semi da Olimpíada de Londres em 2012.

Delpo lembrou que há um ano jogava seu último jogo antes de passar por cirurgia no punho esquerdo. Perdeu para o canadense Vasek Pospisil: "Mais do que uma vitória ou derrota, voltar a jogar tênis é o que melhor poderia acontecer. Sou consciente do mal que estive, do que me custou pra voltar. Há exatamente um ano ia pra sala de imprensa sem saber se poderia seguir jogando tênis e com muita bronca, angústia. Hoje falo de novo, depois de ter ganho uma partida e minha realidade mudou".
"Não sei em que número estou, mas me sinto sacando bem, batendo bem a direita e obviamente está em vista meu backhand. Por mais que às vezes bater um slice estrategicamente me ajude, ainda não estou causando muito dano, não estou batendo bolas vencedoras que habitualmente quase tão forte como minha direita. Busco e trabalho para que o dia de amanhã possa ser perigoso a todos. A atual forma não é a que aspiro pro futuro, mas também sou paciente e sei qual é meu momento. Fico tranquilo ao pensar como estava há algumas semanas.