TÊNIS NEWS
11/02/2016
10:27
KHARKIV (UKR)

A ucraniana Elina Svitolina, de apenas 21 anos, atual número 21 da WTA e que teve como máximo ranking o 15º posto, contratou a belga Justin Henin-Hardenne, que foi a melhor do mundo por mais de 100 semanas, como sua “consultora especial”.

Svitolina diz, em comunicado divulgado pela assessoria de imprensa, que “no ano passado, era apenas uma possibilidade [Nota da Redação: a ucraniana manifestou, em dezembro, a vontade de ter Justine em sua equipe], mas, agora, é um fato: Justine Henin é parte do time de Eline Svitolina”.

“O contrato da belga a define como ‘consultora especial’ de Elina. A belga a acompanhará em alguns torneios durante a temporada, sendo o primeiro deles o WTA de Dubai, que começa na próxima segunda feira. A formidável experiência da belga, de 33 anos, será, indubitavelmente, utilizada por Elina, não apenas em seu estilo de jogo, mas também psicologicamente”, continua o texto.

“Com Henin sendo parte da ‘tripulação de Svitolina, o objetivo para o futuro parece claro: TOP 10!”, finaliza a nota, divulgada no site oficial da tenista ucraniana.

BELGA TEVE CARREIRA BRILHANTE
Henin é uma das jogadoras mais aclamadas de todos os tempos, e o motivo de tantos críticos e fãs a citarem juntamente com as maiores lendas do tênis feminino é que, em uma época em que as mulheres já jogavam bastante concentradas em disparar pancadas da linha de base, Henin, mesmo com apenas 1,67m, circulava por toda a quadra com maestria. Era, notavelmente, uma exímia voleadora. Além disso, tinha um backhand muito eficiente e bastante plástico, sendo muito lembrado como uma das maiores esquerdas da história do circuito feminino.

Ela venceu, ao longo da carreira, sete Grand Slams, sendo Wimbledon o único dos quatro mais importantes troféus que nunca levantou – ela perdeu na final em 2001, para Venus Williams, e 2006, para Amelie Mauresmo. Também foi campeã olímpica, em 2004, vencendo a mesma Amelie Mauresmo, que hoje também está no circuito, como técnica de Andy Murray. Além destes, Henin soma mais trinta e cinco títulos, totalizando quarenta e três na brilhante carreira que teve.

A belga alcançou a primeira posição do ranking pela primeira vez em 2003, e se aposentou, primeiramente, em maio de 2008, antes do WTA de Roma, quando ainda era número um do mundo, por conta de problemas físicos. Posteriormente, em setembro de 2009, ela anunciou que retornaria ao circuito na temporada seguinte, voltando no Torneio de Brisbane, na Austrália, realizado sempre na primeira semana do ano. As causas citadas para o retorno foram a volta da compatriota Kim Clijsters, que retornara e vencera o US Open 2009 em cima de Serena Williams, e o fato de Roger Federer ter completado o Grand Slam, algo que ela queria muito alcançar – lamentavelmente, retirou-se pela segunda vez sem conseguir -, no mesmo ano, em Roland Garros.

Vice campeã em Brisbane, após perder em três sets para Clijsters e no Australian Open, onde caiu, também em três parciais, para Serena Williams, ela ainda venceu os WTAs de Stuttgart, na Alemanha, e 's-Hertogenbosch, na Holanda, antes de parar definitivamente, citando o agravamento de uma lesão no cotovelo que muito a incomodava, naquela época. Seu último jogo como profissional foi a derrota, na terceira rodada, para Svetlana Kuznetsova, no Australian Open 2011.