Maria Sharapova

Maria Sharapova coletiva antidoping

TÊNIS NEWS
10/03/2016
12:00
KENNELBACH (AUT)'

A Head, empresa com que, desde 1º de janeiro de 2011, Sharapova possui um contrato de exclusividade para raquetes, cordas e grips, soltou um comunicado dizendo que ‘acredita’ na russa, posicionou-se do lado de Maria e anunciou que pretender estender seu contrato com a atleta.

A nota é assinada por Johan Eliasch, Presidente e CEO da Head, direto de Kennelbach, Áustria.

LEIA ABAIXO, NA ÍNTEGRA, O COMUNICADO DA EMPRESA AMERICANA SOBRE O CASO DE SHARAPOVA:

"Como empresa, a HEAD tem uma política anti-doping rigorosa. Nós
acreditamos que o uso de substâncias banidas pela WADA para melhorar a
performance e ganhar vantagens injustas devem ser sancionadas. Nós temos
uma clausula em todos os nossos contratos que nos permite cortar relações
com os atletas, caso eles sejam julgados culpados em situações de doping.
No caso de Maria Sharapova, nós analisamos os fatos e circunstâncias
detalhadamente para chegarmos a uma conclusão firme sobre o nosso
relacionamento com ela, devido ao seu anúncio recente.
Os fatos que conhecemos até o momento são:
1. Desde 1o de janeiro deste ano, a WADA baniu o uso da substância
“meldonium”.
2. Maria tem tomado “mildronate” e outras medicações desde 2006, como
resultado da frequência com a qual ela tinha resfriados, resultados anormais
de ECG e indicadores de diabetes em uma família com histórico da doença.
Mildronate é um outro nome para meldonium.
3. É de conhecimento comum da comunidade científica que, para que o
meldonium tenha efeito direto na melhoria de performance, ele precisa ser
tomado em dosagens diárias superiores, entre 1,000 e 2,000 mg.
4. De acordo com o advogado de Maria, a dosagem dela é significativamente
menor do que esta.
5. Nós acreditamos que ela ainda continua lidando com as condições de saúde
que descreveu.
6. Antes de 2016, nós acreditamos que Maria nunca, em toda sua carreira,
tenha feito o uso de alguma substância ilegal ou banida pela WADA.
7. Maria anunciou, no último dia 7 de março, que seu teste havia dado positivo
para o uso de meldonium, mas que isso tinha sido um erro dela, que não havia
percebido que o mildronate ou meldonium havia sido adicionado à lista de
substâncias proibidas pela WADA.

Dessa forma, nós concluímos que, apesar de Maria ter, sem dúvida, testado
positivo para o uso de uma substância banida pela WADA, as evidências
circunstanciais indicam que ela manteve o uso de meldonium, após 1o de
janeiro de 2016, nas dosagens em que foi recomendada, que são
significativamente menores do que os níveis necessários para haver ganho ou
melhoria de desempenho, foi um erro assumido por Maria. Na ausência de
qualquer evidência que comprove a intenção de Maria em obter vantagem em
sua performance de forma injusta com o uso de mildronate, nós concluímos
que isto cai na categoria de erros “honestos”.

Nós também reiteramos que, em mais de uma década, Maria Sharapova foi um
modelo a ser seguido de mulher e integridade, que inspirou milhões de fãs ao
redor do mundo a assistir e jogar tênis. A honestidade e a coragem que ela
mostrou ao anunciar e reconhecer o seu erro foi admirável. A HEAD tem
orgulho em se manter ao lado de Maria, agora e no futuro, e temos a intenção
de ampliar o seu contrato. Estamos em busca de trabalhar com ela e anunciar
um novo patrocínio nas próximas semanas e meses. Maria pode ter cometido
um erro, mas ela merece o benefício de dúvida e nós estamos dando isso a
ela. Nós esperamos poder trabalhar mais muitos anos com Maria".