Roger Federer

(Foto: AFP / VALERY HACHE)

TÊNIS NEWS
30/04/2016
09:31
Madri (Espanha)

O Masters 1000 de Madri, na Espanha, teve sua chave sorteada neste sábado e pode trazer muitas emoções com um possível duelo entre Roger Federer versus Rafael Nadal já nas quartas de final e Andy Murray no mesmo lado deles.

Federer, que marca o segundo torneio na volta após a artroscopia no joelho depois do Australian Open, estreia diante do português João Sousa, 34º, ou o francês Nicolas Mahut, 48º. Tricampeão em Madri em 2006, 2009 e no ano do saibro azul, em 2012, Roger venceu o lusitano uma vez na grama de Halle, na Alemanha, em 2014, e diante de Mahut levou a melhor nos quatro encontros.

Nas oitavas de final pode ter o jovem talentoso Dominic Thiem, 15º colocado e que tem título em Buenos Aires com vitória sobre Rafael Nadal no evento no saibro, ou até Juan Del Potro que faz um dos jogos esperados de primeira rodada diante do austríaco.

Nas quartas o esperado confronto diante de Nadal que vem de títulos em Monte Carlo e Barcelona. O espanhol campeão de 2005, 2010, 2013 e 2014 estreia contra o sérvio Viktor Troicki, 24º, ou o russo Andrey Kuznetsov, 39º, e nas oitavas pode pegar o belga David Goffin, cabeça de chave 12.

Nas semis, tanto Federer quanto Nadal podem cruzar com Andy Murray que estreia diante de um quali ou o canadense Vasek Pospisil, 45º, e que nas oitavas cruzaria contra Grigor Dimitrov, ex-top 10 e atual 29º, ou o francêa Gilles Simon, 18º. Nas quartas com potencial rival o tcheco Tomas Berdych.

Djokovic escapa de rivais - Depois de dois anos, Novak Djokovic volta ao torneio que venceu em 2011 e estreia contra o croata Borna Coric, 40º, ou o espanhol Nicolas Almagro, 71º. Nas oitavas pode cruzar com o espanhol Roberto Bautista. Nas quartas diante do canadense Milos Raonic, que pega Thomaz Bellucci na estreia ou com o francês Jo Tsonga, sétimo favorito. Nas semis o suíço Stan Wawrinka, quarto, ou o japonês Kei Nishikori, vice em 2014 e sexto, são potenciais adversários.

Nole vem de derrota na estreia em Monte Carlo, sua pior queda em seis anos.