Djokovic

Novak Djokovic (Foto: PHILIPPE LOPEZ/AFP)

TÊNIS NEWS
31/07/2016
19:01
TORONTO (CAN)

Em uma final surpreendentemente tranquila, o sérvio Novak Djokovic conquistou seu 30º título na série de torneios Masters 1000 ao bater o japonês Kei Nishikori, 6º do ranking, por 6/3 e 7/5, em 1h22 de jogo.

No geral, este foi o 66º caneco da vitoriosa carreira do número um. No Masters do Canadá – o torneio varia entre as cidades de Toronto e Montreal, uma a cada ano -, ele chegou ao tetracampeonato – em 2007 e 2011, venceu em Montreal. Em 2012, na mesma cidade de 2016. O triunfo ainda representou a quinta vitória sobre Kei no ano e a nona seguida no confronto direto, que agora tem o placar de 10x2 para o europeu.

Agora, Novak vem com tudo ao Rio de Janeiro para tentar a inédita medalha de ouro olímpica. Ele disputará as provas de simples, duplas masculinas, junto a Nenad Zimonjic, e, possivelmente, duplas mistas, com sua amiga de infância de Belgrado, Ana Ivanovic.

O JOGO
A partida não foi difícil para o principal favorito. Na maior parte dos games, os sacadores comandaram com folga, confirmando seus serviços sem grandes dificuldades. No 2/3, o asiático errou demais em seu game e cedeu a quebra sem grande resistência. Rapidamente, em pouco mais de meia hora, Djokovic fazia 6/3 quase em ritmo de treino, contra um Nishikori que oferecia resistência pífia.

A segunda parcial não começou muito diferente. Logo no terceiro game, em 1/1, ele se viu pressionado frente ao ritmo do sérvio e cedeu três break points. Com mais um erro, ele cedeu a segunda quebra, que parecia enterrar qualquer chance de virada.

Mas seu bom momento chegou. No sexto game, com Novak servindo em 3/2, Nishikori mostrou brevemente sua melhor forma e distribuiu pancadas para todos os lados, encurralando o líder do ranking. Com uma ótima passada no 15/40, devolveu o break. Confirmando seu saque, em certo momento ele ganhara treze dos últimos quinze pontos disputados.

Entretanto, nesse momento Djokovic sacou muito bem, freando o momento e a intensidade de Kei. O saque levou um Nole instável por alguns games ao 5/5, e foi no décimo primeiro game que o jogo foi decidido. O japonês andou na frente durante todo o tempo, teve chances para confirmar, mas não conseguiu e errou duas bolas não forçadas consecutivamente na igualdade, dando de presente seu game.

Dessa forma, o número um só precisou concretizar o triunfo. Novamente servindo com grande qualidade, ele até perdeu dois match-points, mas o jogo era mesmo seu. E o 30º troféu da maior série de torneios após os Slams também.