Novak Djokovic

Novak Djokovic (Crédito: Tennis Australia)

TÊNIS NEWS
06/03/2016
14:39
BELGRADO (SRB)

O sérvio Novak Djokovic, número 1 do mundo, teve muitas dificuldades, mas venceu o inspirado cazaque Mikahil Kukushkin, 79º, e empatou o confronto contra o Cazaquistão, pela primeira rodada da Copa Davis 2016, que terá um quinto jogo, entre Viktor Troicki e Alexandr Nedovyesov.

O melhor do Mundo jogou sua partida mais difícil da temporada, superando as 4h33 enfrentadas contra o francês Gilles Simon, nas oitavas de final do Australian Open, na qual cometeu 100 erros não forçados. Desa vez, foram 'apenas 94 erros sem influência do oponente - Kukushkin cometeu 95 -, mas, como no jogo em Melbourne, a vitória veio mesmo assim, com o tenista de Belgrado crescendo na 'hora H'.

O tenista do país formado pela desintegração da União Soviética jogou provavelmente o melhor tênis de sua vida. Sólido e consistente por mais de quatro horas, trocou bolas com Nole de igual para igual, como se fosse top 5, defendeu-se magistralmente e muitas vezes pôs o melhor jogador do Mundo contra a parede. Mas ganhar de Djokovic é um mistério que está difícil de solucionar, e não foi hoje que Kukushkin conseguiu fazê-lo.

O primeiro set foi muito disputado. Kukushkin provou que cresce muito em jogos de Copa Davis e jogou num nível bem acima do que apresenta em torneios normais. Os dois tenistas defenderam bem seus saques, apesar de terem alguma dificuldade num bom número de games, e salvaram o break point que cada um enfrentou. Neste cenário, os dois foram ao tiebreak.

Nele, Djoko conseguiu o minibreak com Mikhail sacando em 1/1, mas logo após cometeu a dupla falta. Servindo em 3/4 , o 1º do ranking forçou mal a curta, e Kukushkin tinha 5/3. No entanto, perdeu a miniquebra em 5/4, quando o sérvio foi à rede e o fez errar. Conseguindo mais uma vez um ponto no saque de Djokovic, em 6/6, após um erro em voleio de esquerda do tenista da casa, Kukushkin pôs uma direita no limite da parte interna da quadra, surpreendendo a todos na Arena e fazendo 1x0, com 8/6 na decisão.

Depois de Djokovic ter se irritado com a derrota na primeira parcial, ele começou a segunda jogando muito, quebrando o cazaque no primeiro game e rapidamente abrindo 2/0. Quando parecia que engrenaria, ele voltou a errar muito e, em seguida a uma discussão entre capitães, jogadores e árbitros de cadeira e geral, acerca de uma chamada revertida pelo juiz de cadeira, número 1 cometeu a dupla falta no break point, e o set estava novamente empatado. Os dois tenistas jogaram mal os dois games seguintes, cedendo as quebras, a segunda de cada um na etapa. A seguir, confirmaram os saques seguintes, e, no 9º game, batalharam muito. O 79º do ranking salvou dois break points e manteve o serviço, em uma linda direita na corrida, para muita vibração. Djoko jogou bem no 10º game, não teve dificuldades para confirmar, e nas duas séries seguintes a tônica se manteve. Os dois iam novamente ao tiebreak.

Na segunda decisão do jogo, o sérvio foi melhor. Foi pra cima, acelerando mais ainda ritmo, pôs Kukushkin contra a parede, aproveitou erros deste, principalmente na esquerda, e chegou ao 6/2, após linda curta de backhand. Kukushkin conseguiu um ace, e Djokovic devolveu o saque indefensável no 6/3, fazendo 7/3 e empatando a partida.

A terceira etapa do jogo foi cheia de quebras de saque. O cazaque não se abalou com a derrota no set anterior, e logo começou quebrando, de 0, o melhor jogador da atualidade. Jogando muito tênis e aproveitando-se dos muitos erros do ‘Djoker’, ele abriu 4/1, conseguindo a segunda quebra quando o sérvio sacava em 1/3.

A parcial parecia fácil, mas o que se seguiu foi um festival de quebras. O número 1, com o set quase perdido, se soltou e quebrou de 0 o oponente, mas, após fazer 40/15, sacando em 4/2, jogou mal, viu Kukushkin subir bem à rede, executar winners e, cometendo duas duplas faltas seguidas, voltou a ficar duas quebras atrás. Kukushkin, entretando, fraquejou no 5/2, perdeu seu saque e viu Nole confirmar em 3/5. Mesmo com toda a pressão em seus ombros pela segunda vez e após errar duas bolas, enfrentando um 0/30, ele foi agressivo, jogou muito e foi duas vezes seguidas à rede para confirmar sua vitória no set por 6/4 e ficar a somente uma parcial da vitória sobre o melhor do Mundo, que também daria a classificação, fora de casa, ao Cazaquistão.

Mas, jogando bem ou mal, sentindo ou não o ombro, ainda era Novak Djokovic no outro lado da rede. Mesmo perdendo um 0/40 e, consequentemente, três chances de quebra, com o cazaque sacando em 0/1, ele perseverou, foi em busca da quebra e eventualmente a conseguiu, no sexto game, após perder um break point, quando Mikhail sacava em 2/3. Depois de um suado oitavo game, que durou sete minutos, ele confirmou a quebra e tinha 5/2 no 4º set. Sacando em 5/3, Djoko viu o 79º da ATP errar duas bolas e ganhou o 4º set, após 4h19min, para delírio da torcida.

No set decisivo, então, mais facilidade, mesmo que tardia. Logo no primeiro game, o melhor do Planeta fez 0/30 e conseguiu a quebra após um erro do adversário, que finalmente dava sinais de cansaço e baixava um pouco seu nível, que esteve altíssimo por mais de quatro horas. Mesmo ficando evidente que mexia menos as pernas, porém, Kukushkin queria muito vencer. Ele mantinha seus saques, até quando enfrentava dificuldades – e elas eram frequentes, pois Nole estava inteiro fisicamente -, enquanto o 1º do ranking tinha mais tranquilidade, e, assim, o jogo foi caminhando até o 4/2, quando o cazaque não aguentou o ritmo de Djokovic, que foi pra cima e disparou winners, para logo após sorrir com a família e os amigos a cada ponto ganho.

Então, finalmente, Nole chegou ao 5/2, tendo o saque para vitória em mãos. Ele conseguiu dois aces, um grande saque e, em outro bom saque, viu Kukushkin não conseguir devolver, selando a vitória por 3x2, em 4h57min, e se emocionando no abraço ao capitão sérvio.