icons.title signature.placeholder TENIS NEWS
icons.title signature.placeholder TENIS NEWS
23/08/2015
20:44

Líder isolado do ranking da ATP, o sérvio Novak Djokovic tentou neste domingo alcançar um recorde jamais feito no tênis, vencer o Career Golden Masters, que consta de todos os torneios da série Masters, incluindo o finals.

O sonho é antigo, mas pela terceira vez lá estava Roger Federer para impedir sua realização. Das 5 finais que Djokovic perdeu em Cincinnati, três foram contra o suíço, em 2009, 2012 e 2015, e duas para Andy Murray em 2008 e 2011. Ainda na cerimônia de premiação, o sérvio brincou com a situação.

“Mais uma vez não deu, acho que terei que esperar Roger (Federer) aposentar,” declarou, arrancando risos dos presentes.

Na coletiva após a partida, Djokovic elogiou a forma e as táticas do rival, destacando a harmonia que Federer tem com as superfícies mais rápidas.

“Acho que ele é mais agressivo que em qualquer outro torneio, pois a superfície e as condições permitem que ele jogue muito rápido,” disse Djokovic. “Ele geralmente harmoniza bem com bolas rápidas, com um jogo rápido, é o ritmo que ele gosta.”

“Além de tudo, ele acertou nas táticas. Eu sabia que ele seria extremamente agressivo, nunca duvidei disso, então tentei lidar como pude com a situação. Até que consegui lidar bem até o tie-break do primeiro set, depois ele foi o melhor jogador em quadra.”

Djokovic reconheceu que esteve abaixo de seu melhor nesta semana e se demonstrou feliz com o resultado.

“Cometi algumas duplas faltas, baixei o nível dos meus serviços. Da forma como joguei esssa semana, acho que foi um ótimo feito alcançar a final,” concluiu o sérvio.

Líder isolado do ranking da ATP, o sérvio Novak Djokovic tentou neste domingo alcançar um recorde jamais feito no tênis, vencer o Career Golden Masters, que consta de todos os torneios da série Masters, incluindo o finals.

O sonho é antigo, mas pela terceira vez lá estava Roger Federer para impedir sua realização. Das 5 finais que Djokovic perdeu em Cincinnati, três foram contra o suíço, em 2009, 2012 e 2015, e duas para Andy Murray em 2008 e 2011. Ainda na cerimônia de premiação, o sérvio brincou com a situação.

“Mais uma vez não deu, acho que terei que esperar Roger (Federer) aposentar,” declarou, arrancando risos dos presentes.

Na coletiva após a partida, Djokovic elogiou a forma e as táticas do rival, destacando a harmonia que Federer tem com as superfícies mais rápidas.

“Acho que ele é mais agressivo que em qualquer outro torneio, pois a superfície e as condições permitem que ele jogue muito rápido,” disse Djokovic. “Ele geralmente harmoniza bem com bolas rápidas, com um jogo rápido, é o ritmo que ele gosta.”

“Além de tudo, ele acertou nas táticas. Eu sabia que ele seria extremamente agressivo, nunca duvidei disso, então tentei lidar como pude com a situação. Até que consegui lidar bem até o tie-break do primeiro set, depois ele foi o melhor jogador em quadra.”

Djokovic reconheceu que esteve abaixo de seu melhor nesta semana e se demonstrou feliz com o resultado.

“Cometi algumas duplas faltas, baixei o nível dos meus serviços. Da forma como joguei esssa semana, acho que foi um ótimo feito alcançar a final,” concluiu o sérvio.