Djokovic

O alívio de Djokovic ao conquistar Roland Garros pela primeira vez (Foto: MIGUEL MEDINA/AFP)

TÊNIS NEWS
26/06/2016
18:44
LONDRES (ING)

Campeão no All England Club em 2011, 2014 e 2015, o líder do ranking, Novak Djokovic, está de volta a Wimbledon para tentar o tetracampeonato na grama sagrada. Há menos de um mês, o tenista de Belgrado tirou o maior peso de suas costas, vencendo Roland Garros e conquistando o último troféu de Slam que lhe faltava.

Na tradicional coletiva pré-estreia, o atual campeão expressou sua felicidade em entrar novamente no complexo do All England Club, revelando, em seguida, sobre o alívio sentido após Paris e seus efeitos positivos para a disputa deste ano na superfície verde. “Apesar de eu ter sido muito abençoado por alcançar meu sonho de criança e vencer Wimbledon três vezes, ainda sinto a animação de quem entra aqui pela primeira vez”.

“Claro, a situação neste ano é bem diferente das temporadas passadas, porque venho de um título de Roland Garros pela primeira vez. Isso me dá, obviamente, muita confiança, antes do torneio”.

Sua preparação diferente para o Grand Slam da grama, que inclui apenas treinos e a exibição “The Boodles”, sem a disputa de torneios oficiais, tem dado muito certo, já que o sérvio levantou o troféu em três das últimas seis edições no SW19. Ele destacou o período, ressaltando a importância da semana a mais adicionada ao intervalo entre os dois Majors do meio da temporada.

“Agora, temos uma semana a mais entre Roland Garros e Wimbledon, pelo menos, que nos dá um pouco mais de tempo para descansar, fazer a transição para a quadra de grama e, eventualmente, jogar um torneio preparatório”.

Depois, explicou o porquê de não fazê-lo. “Decidi não jogar (um torneio preparatório), porque porque vencer Roland Garros foi obviamente um dos momentos mais bonitos e memoráveis da minha carreira. O título tirou muito de mim, e pensei que seria mais importante, para mim, rejuvenescer e descansar um pouco do tênis, antes de voltar e me preparar para Wimbledon”.

Com um recorde de 44-3 no número vitórias-derrotas em 2016, Nole enfrentará, amanhã, às 9h, com transmissão ao vivo do Tênis News, o tenista britânico James Ward, apenas o 177º da ATP. Ele discorreu sobre o desafio e falou da emoção de, enquanto atual campeão, abrir o torneio na quadra central, sendo o primeiro a usar a grama sagrada.

“Todas as vezes em que você enfrenta um oponente pela primeira vez é importante começar bem e não permitir que ele aproveite as chances que tiver. Será a primeira partida na grama imaculada, e essa é uma das partidas mais especiais que você pode jogar como um tenista profissional”.

Se Djokovic defender seus títulos em Wimbledon e no US Open, será o primeiro homem desde Rod Laver, em 1969, a completar o Grand Slam no mesmo ano. Ainda mais histórico seria fazê-lo e também vencer as Olimpíadas, feito que homem algum jamais alcançou e, entre as mulheres, somente Steffi Graf conquistou, em 1988. Muito se fala sobre a marca, mas Novak encara a pressão como algo rotineiro em seu trabalho.

“A pressão é parte do que fazemos. É inevitável que experimentemos essas sensações, enquanto jogadores de ponta, de quem todos esperam grandes resultados”.

“Mas, quanto mais você se encontra nessas posições, mais se acostuma a lidar com elas e se sair bem”, finalizou, dando um recado aos adversários pelo título.