Lleyton Hewitt

Lleyton Hewitt está se aposentando do tênis (Crédito: Divulgação)

TÊNIS NEWS
17/01/2016
11:02
MELBOURNE (AUS)

Lleyton Hewitt faz, neste Australian Open, sua despedida no tênis. Com o iminente fim na carreira daquele que carregou o esporte no país por mais de uma década, as expectativas australianas caíram fortemente sobre a dupla Nick Kyrgios e Bernard Tomic.

A seca de homens aussies no Grand Slam local já dura mais de quarenta anos, e a tempestuosa dupla Kyrgios-Tomic estará nos holofotes por seu comportamento tanto quanto pelo tênis. Ambos já manifestaram seu amor pela torcida caseira, mas o sentimento nem sempre é recíproco.

Após abandonar, lesionado, na estreia contra Rafael Nadal, em 2014, Tomic foi muito criticado pelo público na Rod Laver Arena.

Kyrgios conseguiu atingir as quartas de final no ano passado, mas recebeu uma enxurrada de críticas por falar palavrões e abusar das raquetes. Ele permanece sob dura vigilância da ATP após balbuciar absurdos para Stan Wawrinka num confronto em 2015.

O descendente de gregos, no entanto, permanece longe de confusões neste ano. O mesmo não pode ser dito de Tomic. Ele tem sido criticado por sua retirada nas quartas de final em Sydney, há dois dias. Citando uma doença, o jogador foi filmado discutindo com o árbitro da partida sobre desistir ou não, já que precisaria jogar dois jogos naquele dia, caso vencesse, e teve “um bom sorteio em Melbourne”, segundo o próprio. Tomic já fora apelidado de “Tomic, o motor de tanque”, após ser acusado de entregar uma partida no US Open, já que tem um vasto currículo de desistências.

“Outros jogadores desistiram naquela semana, pois também estavam doentes. Infelizmente, comigo, dada minha má reputação no passado, coisas aconteceram. A atenção sempre cresce [quando é comigo].

Com Tomic sendo o 17º cabeça de chave e Kyrgios o 29º, o país tem dois pré favoritos em seu Grand Slam pela primeira vez após mais de uma década.

Com a retirada do ídolo Hewitt do circuito, Kyrgios sabe da grande pressão, mas falou sobre estar confortável com isso, dizendo-se “mais relaxado neste ano”. Ele ainda comentou as expectativas do público e como devem se portar aqueles que defendem a bandeira local.

“Tenho bem mais confiança no meu jogo. Sinto-me muito mais confortável jogando em frente ao nosso público neste ano. Definitivamente jogarei bastante melhor”, emendando. “A torcida certamente espera que os australianos joguem seu melhor tênis aqui. É justo. Acho que cada um de nós deveria dar a cara à tapa e tentar o máximo possível tirar o melhor que temos em nós”.