icons.title signature.placeholder TÊNIS NEWS
icons.title signature.placeholder TÊNIS NEWS
30/08/2015
12:27

Uma primeira rodada bem dura preocupa Roger Federer para o US Open que começa nesta segunda-feira e pelo qual estreia apenas na terça. Ele encara o 33º colocado, o argentino Leonardo Mayer, primeiro fora da lista dos cabeças de chave em Nova York.

O suíço ficou surpreso com o encontro e relatou sua estreia complicada. Mayer teve cinco match-points para batê-lo em outubro do ano passado, no Masters 1000 de Xangai, na China.

"Não sabia que ele não seria cabeça de chave, Fiquei em choque total ao ver que o enfrentaria. , então vejo como uma chave bem dura", apontou o vice-líder do ranking que vem de título em Cincinnati, nos Estados Unidos.

"A partida de Xangai foi uma das com mais sorte que já ganhei em minha carreira pra ser honesto. Em Xangai e até aqui já treinei com ele outro dia. Sei do poder que ele tem nos dois lados, além do saque com muitos movimentos, encurtandoos pontos. Acho que é um desafio pra ser honesto. Espero jogar com confiança e usar minha experiência. 

Apesar do duro compromisso, Roger disputa seu 64º Grand Slam  seguido com confiança para buscar o 18º Major. Ele não vence um torneio deste tipo desde Wimbledon em 2012 e no US Open não levanta o caneco desde 2008: "Claramente meu foco precisa não ser vencer o torneio de cara. Isso está muito longe. Não disputo a final há tempos, fiquei perto algumas vezes, mas não fui bom o bastante. Tentei construir em cima disso e seguir adiante. 

"Sempre há nervos da primeira rodada, não saberei as condições e como estará meu oponente, sempre buscando sair dos blocos e não ficar em pânico. É um jogo melhor de cinco sets buscando lutar e manter o bom nível e depois é um alívio na próxima fase,quanto mais partidas mais informação você tem". 

Uma primeira rodada bem dura preocupa Roger Federer para o US Open que começa nesta segunda-feira e pelo qual estreia apenas na terça. Ele encara o 33º colocado, o argentino Leonardo Mayer, primeiro fora da lista dos cabeças de chave em Nova York.

O suíço ficou surpreso com o encontro e relatou sua estreia complicada. Mayer teve cinco match-points para batê-lo em outubro do ano passado, no Masters 1000 de Xangai, na China.

"Não sabia que ele não seria cabeça de chave, Fiquei em choque total ao ver que o enfrentaria. , então vejo como uma chave bem dura", apontou o vice-líder do ranking que vem de título em Cincinnati, nos Estados Unidos.

"A partida de Xangai foi uma das com mais sorte que já ganhei em minha carreira pra ser honesto. Em Xangai e até aqui já treinei com ele outro dia. Sei do poder que ele tem nos dois lados, além do saque com muitos movimentos, encurtandoos pontos. Acho que é um desafio pra ser honesto. Espero jogar com confiança e usar minha experiência. 

Apesar do duro compromisso, Roger disputa seu 64º Grand Slam  seguido com confiança para buscar o 18º Major. Ele não vence um torneio deste tipo desde Wimbledon em 2012 e no US Open não levanta o caneco desde 2008: "Claramente meu foco precisa não ser vencer o torneio de cara. Isso está muito longe. Não disputo a final há tempos, fiquei perto algumas vezes, mas não fui bom o bastante. Tentei construir em cima disso e seguir adiante. 

"Sempre há nervos da primeira rodada, não saberei as condições e como estará meu oponente, sempre buscando sair dos blocos e não ficar em pânico. É um jogo melhor de cinco sets buscando lutar e manter o bom nível e depois é um alívio na próxima fase,quanto mais partidas mais informação você tem".