Azarenka venceu de virada (Foto: Greg Wood/AFP)

Azarenka venceu de virada (Foto: Greg Wood/AFP)

TÊNIS NEWS
11/11/2015
11:45
Minsk (Bielorrússia)

Victoria Azarenka fez um balanço sobre sua temporada em uma coluna para a revista Sports Illustrated onde detalhou como foi o processo para aquisição de Sascha Bajin como treinador, seus problemas físicos e até emocionais com a cirurgia do pai.



"Antes de contratar o Sascha eu liguei pra Serena para ter a certeza que poderíamos trabalhar juntos. Ser honesta é a única forma de fazer negócio na minha opinião", revelou a ex-número 1 do mundo.

Serena trabalhou com Sascha como parceiro de treinos até o fim do Australian Open, mas nunca confirmou o término: "Começamos a trabalhar depois que ele decidiu não ficar mais com Serena", apontou Azarenka.

Logo após o fim do Australian Open, a parceria entre Azarenka e o antigo técnico Sam Sumyk termino. A bielorussa trouxe então Wim Fissette em Doha e Sumyk passou a trabalhar com Eugenie Bouchard e agora está com Garbiñe Muguruza.

"Não vou mentir e dizer que foi fácil, mas agora está no passado, estou orgulhosa. Depois da Austrália meu mundo terminou. Precisava achar um novo técnico. E aquilo era um começo de muitas mudanças e ajustes durante meu ano".

A tenista afirmou que foi afetada por uma cirurgia de seu pai após o Aberto da Austrália: "Com todas essas mudanças em um curto período de tempo não me dei conta do tanto do emocional que me custo e isso foi dentro de quadra. Meu pai passou por uma cirurgia e isso causou grande impacto emocional e colocou ainda mais coisa no meu estado emocional."

O meio de temporada foi bom pra tenista que fez quartas em Wimbledon e no US Open, mas agravou lesão na perna: "Eu e o Sascha estávamos treinando e jogando um set. Estava liderando 4 a 2, somos tão competitivos que as coisas esquentaram, ninguém gosta de perder. Enquanto corria numa bola senti uma forte dor na perna e conhecia aquela dor."

A tenista teve que se retirar na segunda rodada em Wuhan e agora já prepara a nova temporada: "Não há limite do quão longe posso ir, mas preciso estar preparada. Não posso esperar pra começar o ano de novo, mas primeiro tenho que ir pelo início, tenho que ficar completamente saudável para ir trabalhar".