Kei Nishikori caiu na primeira rodada do Aberto dos EUA (Foto: AFP)

Kei Nishikori (Foto: AFP)

TÊNIS NEWS
10/03/2016
16:45
INDIAN WELLS (EUA)

Em trêm ocasiões, Kei Nishikori chegou ao Masters 1000 de Indian Wells após ser campeão em ATPs 250 no iníco da temporada. Entretanto, os bons inícios nunca significaram boas campanhas no deserto californiano, onde enfrenta dificuldades.

Campeão em 2008 do ATP de Delray Beach e grande vencedor do ATP de Memphis, em 2014 e 2015, neste ano o quinto favorito ao título do torneio californiano espera que sua sorte mude. “Nunca joguei muito bem por aqui. Tenho que elevar meu nível, um pouco [se quiser me sair melhor].

O japonês, que disse sempre ficar animado por ir a Indian Wells, onde é ‘sempre divertido e relaxante jogar tênis’, elucidou que, para se sair melhor no primeiro Masters 1000 do ano, terá que se adaptar melhor às condições do local, que acarretam em bolas quicando bastante alto e ganhando muita velocidade.

“Você tem que tomar cuidado com estas pequenas coisas e tentar jogar um ótimo tênis”.

Mais uma vez, ele tem o bom momento do início de ano ao seu lado. Em fevereiro, Nishikori venceu seu quarto título consecutivo em Memphis, no Estado do Tennessee, juntando-se ao famoso ‘Big 3’ [os três maiores jogadores do Mundo: Novak Djokovic, Roger Federer e Rafael Nadal], como o único jogador em atividade a vencer um mesmo torneio em quatro oportunidades diferentes.

“Tem sido muito bom”, comentou sobre seu ano de 2016 o sucinto asiático. “Joguei bem em Memphis e venci de novo. No Aberto da Austrália, comecei bem a temporada. Perdi para Djokovic, mas ele vem ganhando quase todos os campeonatos que disputa”, falou ao site da ATP, feliz com seu desempenho, até o momento.

Agora, o maior tenista da Ásia em todos os tempos espera melhorar sua campanha do ano passado, a melhor dele no torneio: perdeu para o espanhol Feliciano Lopez, nas oitavas de final, após sair de bye e vencer dois jogos.

Novamente de bye e pulando o primeiro jogo, ele espera o vencedor jogo entre o espanhol Daniel Munoz de la Nava, a quem nunca enfrentou, e o cazaque Mikhail Kukushkin, seu freguês, que perdeu todos os cinco jogos que fez contra o japonês. No entanto, é bom lembrar que, no último domingo, o tenista do Cazaquistão levou Djokovic ao extremo, sendo derrotado somente depois de 4h57min de partida.