Rafael Nadal

Rafael Nadal (Foto: AFP/MARTIN BERNETTI)

TÊNIS NEWS
24/08/2016
14:50
NOVA IORQUE (EUA)

O espanhol Rafael Nadal já treina em Nova Iorque para o US Open, após a cansativa “maratona” que enfrentou nas últimas semanas. Dizendo-se recuperado, Rafa falou das dores, mas também deixou palavras animadoras para os ouvidos de seus fãs.

“Suportei muitíssimas horas de jogo. Com dores, mas, ao menos, nada mais sério”. Consciente de que vai seguir sentindo-as, ele espera que elas não vão “além”, porque, dessa forma, “a lesão estaria num processo adequado”.

“A lesão que eu tive é muito complicada e delicada. Há dois caminhos com ela: curá-la de maneira conservadora ou operar. Até o momento, as coisas parecem estar indo pelo caminho adequado, mas poderiam ter ocorrido de maneira diferente – aí, eu teria que parar e operar”, conta o tenista de Manacor.

A sequência desde que voltou a disputar torneios foi pesada: o ‘Touro Miúra’ ficou 23 horas em quadra durante as Olimpíadas, entre simples e duplas. Um dia depois, ele já estava em Cincinnati, onde eventualmente sucumbiu perante o croata Borna Coric e o cansaço.

“Tive uma missão importante no Rio de Janeiro, tanto mental quanto fisicamente”, admitiu Rafa, que, apesar de tudo, conta não ter cogitado voltar à sua casa para descansar; pelo contrário, ele tem cada vez mais vontade de trabalhar e disputar torneios.

“Necessito de treinos, e isso me anima: estar treinando e competindo. Creio que são as coisas de que preciso no momento”, declarou, revelando ter sentido “sensações corporais desagradáveis” nas últimas semanas.

“As sensações têm sido desagradáveis: um pouco de dores no cotovelo, também no ombro... houve uma troca nas bolas usadas no Rio e em Cincinnati, e isso nunca ajuda. Além disso, eu vinha (jogando) no limite físico. Sabia que chegava em Cincinnati numa situação complicada”, admitiu.

Por fim, as palavras que alegram a todos que querem ver um tênis forte e recheado de suas estrelas: Nadal está de volta e com ‘fome’ de tênis.

“Uma vez recuperado fisicamente dos Jogos Olímpicos, tenho certeza de uma coisa: estou com muita vontade de voltar a competir. Me sinto competitivo novamente. Tenho muita vontade de jogar e aproveitar dentro de quadra”.