WSL - Oi Rio Pro - Adriano de Souza

Adriano de Souza chegou à semifinal da etapa do Rio de Janeiro (Foto: Daniel Smorigo/WSL)

Jonas Moura
20/05/2016
08:00
Rio de Janeiro (RJ)

O título não veio, mas Adriano de Souza saiu aplaudido do mar do Postinho nesta quinta-feira. Terceiro colocado no Oi Rio Pro, o surfista fez um discurso sincero após ser eliminado por John John Florence na semifinal. Embora tenha conseguido na capital fluminense seu o melhor resultado na temporada, disse ser difícil retomar a briga pela liderança, hoje com o australiano Matt Wilkinson.

- Não me sinto na briga, pois estou longe. Não tenho esperança nenhuma de conquistar o título. Tomara que Fiji seja o campeonato que me dê essa esperança para pensar no bi. Mas esta é a primeira vez (no ano) que chego à semifinal. O Wilko venceu dois eventos. O importante é o Brasil no topo. Se não for eu, que seja o Gabriel (Medina), o Italo (Ferreira), o Miguel (Pupo). Brigamos contra todos. Se não nos unirmos, ficamos na roça - afirmou o surfista, que subiu da 13ª para a sexta colocação após a etapa.

Como explicação para a queda de rendimento, ele aponta o fato de ter deixado as preocupações com o esporte um pouco de lado após conquistar pela primeira vez o título do WCT, na época aos 28 anos.

- No ano passado, eu tinha um grande peso nas costas. Era a última chance da minha vida de me tornar campeão. Eu não dormia direito. Na verdade, não dormi um ano inteiro. Neste, consegui colocar a cabeça no travesseiro e dormir tranquilo. Acordar cedo e trabalhar, mas aquele peso sumiu. Foi difícil, tive muitos compromissos. Mas continuo focado e espero grandes resultados.

Outro que melhorou sua situação no ranking foi Gabriel Medina, com o quarto lugar no Rio. Ele iniciou a disputa em 18º. Agora, está na nona posição geral.

– Fiz duas notas 10, passei boas baterias e estou mais confiante – disse.

A próxima etapa do WCT será realizada em Fiji, entre os dias 5 e 17 de junho.