Gabriel Medina Aéreo

Aéreo de Gabriel Medina foi atração do penúltimo dia do Oi Rio Pro. Confiança para o título (Foto: Reprodução/WSL)

Jonas Moura
19/05/2016
07:00
Rio de Janeiro (RJ)

Uma simples brincadeira. É assim que Gabriel Medina parece encarar cada tentativa de executar manobras complexas, pelo menos nas exibições recentes. Na última quarta-feira, a leveza do garoto de 22 anos, em contraste com o clima pesado na capital fluminense, o conduziu à sua segunda nota 10 nesta edição do Oi Rio Pro, a etapa brasileira do Circuito Mundial (WCT).

O novo feito aconteceu na quarta fase da competição, em bateria contra Michel Bourez e Jack Freestone. Após um início soberano, em que impôs sua superioridade com um 8,10, Medina levantou a torcida ao voar em um aéreo com rotação completa em 360º. Assim como no último sábado, quando fez um mortal para trás inédito no WCT, a decisão dos juízes ao indicar a pontuação máxima foi unânime. Ele somou 18,10, contra 7,90 do taitiano e 7,77 do australiano.

– Minha prancha está um foguete – brincou o paulista de São Sebastião, que se classificou para as quartas de final, contra o vencedor da repescagem entre o australiano Adan Melling e o taitiano Michel Bourez.

– Fico feliz com a performance. Sinto que estou melhorando a cada bateria. Espero que este resultado, que é meu melhor no ano, seja o pior ao fim da temporada – completou.

De fato, Medina não havia impressionado tanto nos primeiros três eventos do circuito. Em Gold Cost e Bells Beach, o brasileiro ficou em 13º lugar, ou seja, foi eliminado no terceiro round. Em Margaret River, terminou na nona colocação, ao cair na quinta fase diante de Italo Ferreira. Ele chegou ao Rio em 22º.

Não que um mau início de temporada cause desconforto ao primeiro surfista campeão mundial do Brasil. No ano passado, ainda que o desejo do bi tenha sido frustrado por Adriano de Souza, Medina mostrou poder de reação ao terminar em terceiro lugar geral, mesmo depois de algumas atuações irreconhecíveis.

De bem com a vida, e cercado pelo padrasto Charles e pela namorada Tayna Hanada, ele é forte candidato à taça hoje. Mineirinho e Miguel Pupo também estão na briga. O primeiro bateu Davey Cathels (AUS) e Caio Ibelli (BRA), e o segundo deixou para trás Italo Ferreira (BRA) e Adan Melling (AUS).

– O dia foi demais, com mar bem difícil e condições muito desafiadoras. Estou feliz pela vitória, pela segunda nota 10 e vou continuar tentando o melhor – disse Medina.

A próxima chamada da Liga Mundial de Surfe (WSL) será nesta quinta, às 6h30. Resta ainda uma bateria para o encerramento da quinta fase, já que o confronto entre o australiano Adan Melling e o taitiano Michel Bourez ficou para o dia seguinte, devido às más condições de luminosidade com o entardecer na Barra da Tijuca. O vencedor terá pela frente Medina.