Mick Fanning chegou a Pipeline como o líder da temporada (Foto: WSL/Kirstin Scholtz)

Nos últimos quatro anos Mick Fanning ficou entre os três melhores do mundo (Foto: WSL/Kirstin Scholtz)

Felipe Domingues
09/03/2016
16:05
São Paulo (SP)

Um nome esteve presente nas disputas dos últimos quatro títulos mundiais de surfe: Mick Fanning. O australiano ficou com a terceira posição em 2012, a primeira no ano seguinte e, nas duas últimas temporadas, foi o vice-campeão. Dessa vez, o tricampeão decidiu que não disputará o Circuito completo, o que causou a tristeza de seus rivais brasileiros.

Até o momento, Fanning confirmou que participará das etapas de Gold Coast, que começa nesta quarta-feira, e Bells Beach, que tem início no próximo dia 24. Além das duas disputas em casa, o australiano competirá em Jeffreys Bay, na África do Sul, em julho. Mas será que a ausência do adversário anima os brasileiros?

- Não muito, pois se ele disputar quatro etapas, ele corre o risco de vencer as quatro e lutar pelo campeonato de forma igual - comentou Mineirinho, atual campeão mundial, ao LANCE!.

A opinião do experiente brasileiro é semelhante a dos outros membros da "Tempestade Brasileira". Até os novatos Caio Ibelli e Alex Ribeiro acreditam que sua ausência não "facilita o trabalho". Para o primeiro, o australiano não pode ser descartado, enquanto o segundo crê que os outros 33 participantes do campeonato têm chances de título.

- Acho uma pena. Ele é meu ídolo e gosto muito de ver ele competir. E acho que se você está em busca de um título, ficar preocupado se o Mick Fanning irá competir não vai ter ajudar a passar baterias. O campeão tem de vencer os melhores - opinou Alejo Muniz.

Seu comentário, inclusive, foi ecoado entre outros dois competidores do país. Para Ítalo Ferreira, o esporte perde sem Fanning, enquanto Wiggolly Dantas crê que sua ausência será sentida.

- Acho que a ausência do Mick é ruim para o esporte e para o Circuito. O esporte todo perde com uma pessoa e um atleta como ele fora da disputa - falou Ferreira.

- Mick fará falta, mas há muitos nomes que podemos apontar na disputa pelo título mundial. Mas, hoje, nenhum atleta é problema para os brasileiros. Igualamos o nível dos gringos e surfamos de igual para igual contra todos - analisou Dantas.