Igor Siqueira
04/04/2016
06:30
Rio de Janeiro (RJ)

O Sport perdeu a paciência com a CBF por uma falta de mudança no calendário com o intuito de acabar com o conflito entre Copa do Brasil e Sul-Americana no segundo semestre da temporada. O Leão decidiu deixar claro o posicionamento em relação à sinuca de bico na qual os clubes são colocados e avisou: vai priorizar a competição continental, colocando o time sub-20 para jogar a Copa do Brasil a partir desta quarta-feira, quando entra em campo contra a Aparecidense (GO).

Esse é mais um golpe público na CBF que um clube dá pelo critério de ser dado o direito à disputa da Sul-Americana apenas aos que não se classificarem às oitavas de final da Copa do Brasil. Ou seja, para jogar o torneio internacional, é preciso se despedir da disputa nacional. Ou vice versa, como se propõe o Sport ao optar por entrar em campo com um time mais fraco.

NOTA OFICIAL

O posicionamento do Sport foi divulgado na noite de domingo, em nota oficial. No texto, o clube classifica o regulamento como "arcaico", acrescentando que o critério de participação definido pela CBF é "antidesportivo e antiético". A diretoria esclarece que fez a mesma crítica durante reuniões na CBF em 2015, mas o item do regulamento permaneceu intacto.

O Leão vai além, garantindo ao torcedor que "a opção pelo torneio sul-americano não causará mudança no planejamento financeiro, já que a Copa do Brasil e a Sul-Americana se equivalem neste quesito".

'AJUDA' AO FLUMINENSE

A decisão do Sport acaba prejudicando o equilíbrio que a CBF pretendia dar ao sortear os confrontos e definir o diagrama de fases até a terceira fase, que antecede as oitavas de final. Com isso, o Fluminense ganha, em tese, um caminho mais fácil até as oitavas, já que teria (ou pode ter) o Sport como adversário de maior peso no chaveamento. Ainda em tese, o Sport e Flu se enfrentariam na terceira fase.

O Tricolor carioca estreia contra o Tombense. Se avançar, pega o vencedor de Salgueiro x Ferroviária-SP. Aí então viria o Sport, caso a lógica entrasse em campo. Mas com o time sub-20 do Leão na história, o futuro fica incerto. Se o Sport perder para a Aparecidense, o terceiro adversário do Fluminense será definido após um Aparecidense x Atlético-GO ou Ypiranga.

Chaveamento do Sport na Copa do Brasil 2016
Chaveamento do Sport na Copa do Brasil 2016

GRANA EM JOGO

Ao deixar a Copa do Brasil para escanteio, o Sport opta por desconsiderar uma fonte considerável de renda. Sem levar conta bilheteria, a competição teve um aumento nas cotas de participação. Incluso no chamado "grupo 2" do pagamento, o Leão tem direito a R$ 420 mil pela primeira fase, R$ 480 mil pela segunda e R$ 660 mil pela terceira. Ou seja, R$ 1,56 milhão.

A partir da fase incompatível com a Sul-Americana, as oitavas de final, todo mundo recebe o mesmo valor. A premiação total, caso o Leão seja campeão (e, nesta hipótese, ficando fora da Sul-Americana), teria mais R$ 9 milhões (sendo R$ 6 milhões só pela vitória na final), totalizando R$ 10,56 milhões referentes à cota de participação que poderiam ser embolsados.

Na Sul-Americana, o Sport confia, além dos efeitos de um título internacional, no aumento que as cotas de participação podem ter com o reajuste já concretizado do contrato entre a Conmebol e a Fox Sports.

Premiação da Copa do Brasil pode superar os R$ 10 milhões, caso o Sport seja campeão mesmo com o sub-20 

DRAMA DO CEARÁ COMO EXEMPLO

O Sport não é o primeiro e, se o regulamento não mudar, não será o último a dar de ombros para a Copa do Brasil. Mas a novidade é que o clube é o primeiro que avisa com tanta antecedência e publicamente que não está nem aí para a competição. Um golpe e tanto. Em outras edições, foi comum clubes como Ponte Preta, Náutico, Bahia e o próprio Sport escalarem times alternativos à medida em que a terceira fase se aproximava.

Em 2015, o Ceará tentou brigar na Justiça Desportiva com a CBF para poder jogar tanto a Copa do Brasil quanto a Sul-Americana. Mas perdeu a queda de braço, com a manutenção do critério estipulado pela CBF. O Vozão chegou às oitavas de final, mas caiu diante do São Paulo, mesmo após vencer o jogo de ida por 2 a 1.

CBF AINDA TENTA SOLUÇÃO


O problema do conflito entre Copa do Brasil e Sul-Americana começou quando a CBF resolveu ampliar a Copa do Brasil, de 64 para 86 times, esticando a competição pelos dois semestres. A situação, como o Sport ressaltou, já foi levada à entidade por diversas vezes.

A Conmebol, inclusive, sempre torceu o nariz porque os representantes brasileiros na Sul-Americana passaram a ter menos qualidade técnica, já que seis vagas são via Brasileirão, uma via Copa do Nordeste e outra da Copa Verde. A promessa na CBF é da tentativa de uma resolução em breve, especialmente com o calendário nacional entrando em discussão no Comitê de Reformas da entidade.