Tite - Técnico da Seleção Brasileira

(Foto: Fernando Soutello/AGIF/Lancpress!)

LANCE!
05/10/2016
21:16
Natal (RN)

Como a pressão por vitórias é coisa do passado, já que o início de Tite no comando da Seleção Brasileira foi “melhor do que a encomenda”, a exigência agora sobre os jogadores do Brasil, que enfrenta nesta quinta-feira a Bolívia pela nona rodada das Eliminatórias, é encantar. Dar um espetáculo tão grande em Natal, a partir das 21h45, que o técnico fique eufórico, sem dormir.

Se jogar bem e vencer, o Brasil – que tem 15 pontos – poderá até assumir a liderança, caso o Uruguai tropece contra a Venezuela.

– A expectativa é manter a média dos dois jogos. Se fizer o que fez contra a Colômbia, em termos de desempenho, não vou dormir até as 4h da manhã de felicidade – avisou Tite, cuja batuta tirou a Seleção do sexto lugar para a vice-liderança.


A Bolívia é um dos times mais frágeis nas Eliminatórias (ocupando o sétimo lugar), sobretudo fora da altitude de La Paz, onde costuma fazer “vítimas”. Mas nem por isso Tite espera facilidade para alcançar o tão esperado desempenho de tirar o sono (no bom sentido).

– Sabemos que estamos vindo de bons resultados, mas isso não assegura nada. A Bolívia ganhou de 2x0 em casa e empatou com o Chile, que, há seis meses, era considerada por todos nós a grande equipe. Tem que ter nível de concentração alto.

Ao mesmo tempo que a exigência é por um nível alto, Tite pede paciência em determinadas jogadas que possam parecer ineficientes, ainda mais porque há quatro mudanças no time titular em relação aos outros jogos (Fernandinho, Giuliano, Filipe Luís e Philippe Coutinho):

– Temos uma forma de jogar em que, por vezes, vamos atrasar a bola para o goleiro para que saia com o lateral do outro lado. Que o torcedor entenda isso sem apupos.