Bruno Cassucci e Fellipe Lucena
12/08/2016
15:26
São Paulo (SP)

Antes da Olimpíada a expectativa era grande em relação ao ataque da Seleção Brasileira, que prometia muito tendo Gabigol, Gabriel Jesus, Neymar e companhia. Mas depois da primeira fase da Rio-2016 o setor que chama a atenção é o defensivo, que ainda não sofreu gols e é o melhor da competição.

Um dos responsáveis pela eficiente marcação canarinho é o zagueiro Rodrigo Caio, que sonha em conquistar o ouro sem ser vazado uma única vez:

- É importante não tomar gol. Temos uma qualidade muito grande no ataque. Se a gente não toma gol, em algum momento a nossa equipe vai fazer. O mérito é de toda a equipe, pois fazemos marcação forte no meio de campo, temos organização para não tomar bolas pelo meio. Espero que a gente possa terminar sem tomar gols, vamos em busca disso - comentou.

Para cumprir essa missão o Brasil terá de superar a Colômbia neste sábado, às 22h, em duelo válido pelas quartas de final dos Jogos, na Arena Corinthians. A seleção adversária tem nomes de peso no ataque e marcou seis vezes nos três confrontos que disputou.

Algumas das armas colombianas são conhecidas de Rodrigo Caio. O zagueiro atuou ao lado do Dorlan Pabón no São Paulo e enfrentou recentemente Miguel Borja, que atua no Atlético Nacional. O jogador, que foi reserva diante da Nigéria, na última partida, marcou dois gols em cada uma das partidas da semifinal da Copa Libertadores, sendo o carrasco do Tricolor paulista na eliminação.

- A Colômbia é uma equipe muito qualificada, acompanhei alguns jogos deles. O Pabón é rápido, finaliza forte. Jà o Teo (Gutierrez) eu não conheço muito bem, mas conheço o Borja, que enfrentou a gente na Libertadores. É um centroavante muito forte, que finaliza muito bem. Vamos ter bastante atenção para anular as qualidades deles - alertou Rodrigo Caio.