Dunga (Foto: Aldo Carneiro/LANCE!Press)

Dunga terá que quebrar a cabeça para definir a Seleção sem Neymar (Foto: Aldo Carneiro/LANCE!Press)

RADAR/LANCE!
27/03/2016
08:05
Viamão (RS)

O apito final no empate diante do Uruguai, na Arena Pernambuco, ainda deve ecoar na cabeça de Dunga. Afinal, muito mais que o tropeço dentro de casa depois de construir uma vantagem confortável, o treinador da Seleção Brasileira ganhou pressão e problemas para o jogo diante do Paraguai. E não é uma questão simples. O comandante precisa achar uma solução para a vaga de Neymar, suspenso pelo segundo amarelo.

O esquema sem um centroavante de ofício se mostrou eficiente não só nos primeiros 45 minutos diante dos uruguaios, como em boa parte dos jogos em que a Seleção teve boa atuação com Dunga. O dilema do treinador deverá consistir em duas situações que estarão ligadas diretamente ao esquema de jogo para o confronto em Assunção.

A escolha mais óbvia, até mesmo pelo que foi observado nos treinos na Granja Comary, seria a entrada de um centroavante. Nessa condição, a espinha do esquema adotado por Dunga sofre poucas alterações. Assim, Ricardo Oliveira, Jonas e Gabriel, que foi convocado ontem (veja mais ao lado), largariam na frente na disputa.

Por outro lado, Dunga pode querer manter a intensa movimentação de seu setor ofensivo e colocar um meia. Assim, Philippe Coutinho, Lucas Lima e Oscar passariam a ser os favoritos.

Além da questão Neymar, o treinador da Seleção precisa eleger o substituto de David Luiz, também suspenso e muito criticado após o empate da anteontem. Para esse ponto, Dunga deverá optar por Gil ou Marquinhos.

Em terceiro lugar nas Eliminatórias com oito pontos, Dunga precisa ser cirúrgico nas escolhas. Afinal, um tropeço em Assunção pode trazer ainda mais pressão e problemas no horizonte.


AS OPÇÕES PARA A VAGA DE NEYMAR
Centroavante
Dunga deve optar pelo caminho mais óbvio. Sem seu capitão e principal jogador, o treinador deve apostar na manutenção do esquema com a entrada de um centroavante. Com isso, as possibilidades aumentam para Ricardo Oliveira, Jonas e Gabriel. O primeiro da trinca é o favorito por já ter autado entre os titulares.

Meia
Por outro lado, Dunga pode manter a ideia de atuar sem um centroavante fixo, privilegiando a movimentação constante do sistema ofensivo. Desta forma, Philippe Coutinho, Oscar e Lucas Lima seriam os focos para a vaga de Neymar. O meia do Liverpool sai na frente, mas o jogador do Santos também teria boas chances. Oscar corre por fora.