Treinador da Seleção Olímpica Rogério Micale em entrevista coletiva no estádio Mané Garrincha

Micale concedeu entrevista coletiva nesta sexta-feira, em Itaquera (Foto: Lucas Figueiredo/MoWA Press)

Fellipe Lucena
12/08/2016
14:23
São Paulo (SP)

A lesão no tornozelo direito de Neymar, sofrida durante a vitória por 4 a 0 sobre a Dinamarca, na quarta-feira, em Salvador, não deve tirá-lo das quartas de final contra a Colômbia, às 22h deste sábado, em Itaquera. Essa é a expectativa do técnico Rogério Micale, que concedeu entrevista nesta sexta.

- Vamos ter o plano B, mas estamos contando só com o A por enquanto. O B está guardado (risos) - brincou o comandante.

- O Neymar está passando por tratamento intenso, está sendo visto a cada momento. Hoje à tarde vamos ter uma reunião com o departamento médico, mas acredito que ele vai estar apto a jogar. Não sei te dizer (se vai treinar), mas não vejo necessidade nenhuma da participação dele no treino. O objetivo maior nesse momento é recuperar os atletas. Se ele não puder treinar, não vai afetar nada. O melhor é que ele esteja pronto, sem dor, para poder jogar - acrescentou.

O último treino antes do duelo com os colombianos começará às 16h, no CT do Corinthians, e os jornalistas poderão acompanhar apenas os primeiros 15 minutos. Não será possível saber, portanto, se Thiago Maia voltará de suspensão na vaga de Walace, que o substituiu diante da Dinamarca.

Micale foi questionado sobre a decisão de deixar Neymar em campo até o fim do duelo contra a Dinamarca, já que o resultado estava praticamente assegurado e o jogador já sentia dores no tornozelo direito. Na resposta, o técnico disse que manteve o seu camisa 10 para deixá-lo, enfim, desfrutar de uma partida na Olimpíada.

- Eu fiquei aguardando, não houve nenhuma sinalização de que algo grave tinha acontecido. Eu queria que o Neymar continuasse, porque quanto mais ele joga, mais ele adquire ritmo de jogo. E tem uma outra situação, que talvez fuja do normal, que é ele usufruir do jogo, em que a equipe estava ganhando bem. Ele passou por muitas dificuldades nos jogos anteriores, e em um momento desse um jogador do porte do Neymar tem de saborear o que está acontecendo. O pior que tem para um jogador como ele é sair de campo e não saborear quando tem um resultado como esse. Quis proporcionar ao Neymar o sabor de ter uma vitória como aquela, por isso ele continuou. Eu não tinha nenhum indicativo de que seria uma lesão que precisasse substituir - completou Micale, lembrando que Neymar sofreu muitas críticas após os empates sem gols com África do Sul e Iraque.