LANCE!
17/12/2016
20:16

O técnico Luiz Felipe Scolari, comandante da Seleção Brasileira na histórica derrota por 7 a 1 para a Alemanha, diz que um resultado como aquele da semifinal do Mundial de 2014 só se repetirá "daqui uns 2 mil anos". A declaração foi dada em entrevista ao recém-lançado site de notícias "Chuteira F.C.". Foi a primeira vez que o treinador falou a um veículo brasileiro desde o vexame no Mineirão. Na entrevista, Felipão se defende lembrando que foi campeão do mundo em 2002 e cita os cinco títulos que conquistou na China, onde dirige o Guangzhou Evergrande.

- É a primeira vez que falo daquela derrota à imprensa do Brasil. O mínimo que eu posso dizer aos que querem me culpar é que, se sou o culpado pela derrota de 2014, então sou o único responsável pela vitória de 2002. Eu pergunto: quem é o último campeão do mundo com o Brasil? Sou eu. Então, se perdi sozinho a Copa de 2014, ganhei sozinho a Copa de 2002.

Felipão alega que "tudo deu certo" para a Alemanha naquele dia 8 de julho e que "não deu tempo de reação" após a série de gols do rival no primeiro tempo. Ele também criticou os desdobramentos daquela Copa, com as cobranças por mudanças no futebol brasileiro. 

- Entendo que nossos treinadores deveriam reagir depois da Copa, se valorizar mais, dar uma resposta aos que acham que tudo de bom que acontece está na Europa. Parece que depois da Copa de 2014, nenhum técnico do Brasil tem mais valor, não presta. Não é assim. Na Europa, na China, em todo lugar do mundo, não tem nada de diferente que nossos treinadores não tenham feito no Brasil. Treinamentos, preparação, estratégias de jogo, tudo é muito igual. O que tem é que um técnico na Alemanha deve se adequar ao futebol que se joga na Alemanha, cada país com suas características. Só isso. O resto é tudo igual. 

- Eu te pergunto: quem é o campeão brasileiro de 2016? O Cuca com o Palmeiras. Onde ele estava antes? Na China. Quem é o campeão da Copa do Brasil? Renato Gaúcho com o Grêmio. Onde ele estava antes? Na praia. Nenhum deles foi à Europa estudar. Cuca e Renato, cada um a seu jeito, se aperfeiçoaram. Muita gente imagina que é fácil ser técnico no Brasil. Não é nada fácil. Tu olha os estrangeiros que chegam aqui. Não duram muito tempo.

Felipão assegura que não pensou em largar o futebol após a goleada de 2014. O técnico renovou contrato na China e não demonstrou desejo de retornar ao futebol brasileiro.