Gabigol marcou dois gols contra a Dinamarca

Seleção se apega a conselho de Neymar para fugir da pressão na Rio-2016 (Fotos: Lucas Figueiredo / MowaPress)

Bruno Cassucci
16/08/2016
16:21
Enviado especial a Teresópolis (RJ)

A Seleção Brasileira masculina enfrenta Honduras pela semifinal do torneio de futebol da Rio-2016 na tarde desta quarta-feira. O local? O mesmo Maracanã que foi palco da eliminação da equipe feminina nesta terça-feira. E um conselho de Neymar pode ajudar os homens a fugirem da pressão e escreverem uma história com fim diferente ao das colegas de modalidade.

Em entrevista concedida à imprensa em Teresópolis, no Rio de Janeiro, poucos minutos após a vitória da Suécia nos pênaltis diante da Seleção comandada por Marta & cia., Gabigol negou que a pressão sobre o time masculino seja ainda maior após a queda das mulheres. 

- Não acho que elas fracassaram, fizeram um grande jogo contra uma Seleção complicada. É claro que ficamos tristes por elas terem perdido nos pênaltis. Não acho que tem um pressão maior. Aqui a cobrança é alta, mas se estamos aqui é porque suportamos. Amanhã o Maracanã estará lotado, tomara que a pressão seja motivante, não deixe a gente pesado para jogar ou com alguma dúvida. Estamos preparados - declarou o camisa 9. 

Independentemente de a pressão ter aumentado ou não após o resultado da Seleção feminina, os comandados de Micale convivem com a expectativa de, enfim, o futebol brasileiro conquistar uma medalha de ouro em Jogos Olímpicos. Conforme contado por Gabigol, uma "dica" de Neymar, camisa 10 e craque do Brasil, vem sendo abraçada pelo elenco nesta reta final do torneio.

- A gente está acostumado a ter pressão desde pequeno, disputamos várias finais, semifinais... É claro que agora é uma semi no Brasil. Mas o Neymar fala uma coisa importante: a torcida não vai invadir o campo e agredir a gente. Temos que jogar futebol, isso não é algo que dá medo, terror. Fazemos uma coisa maravilhosa, jogar futebol - comentou.