Wesley - São Paulo

Volante assegura estar acostuma a cobranças de torcedores (Foto: Eduardo Viana/Lancepress!)

LANCE!
25/11/2015
13:05
São Paulo (SP)

O volante Wesley, um dos jogadores que têm gerado mais insatisfação na diretoria do São Paulo, como o LANCE! publicou nesta quarta-feira, não crê que haja jogadores descomprometidos, como citado por Rodrigo Caio na última terça-feira. Em entrevista coletiva no CT da Barra Funda na manhã desta quarta, o camisa 19 assegurou que se dedica ao máximo nas partidas e disse que cabe apenas aos dirigentes e à comissão técnica a tarefa de identificar atletas que possam não estar focados.

- Eu tenho família, muita gente depende de mim, e sou completamente comprometido. Nunca tive problema com ninguém. Se tiver alguém que não está, é bom a comissão técnica ver e tomar uma atitude. Isso atrapalha na evolução do time. A comissão precisa identificar isso. Se tem, tem que ser cobrado, mas acho que todos têm qualidade. E se tiver é preciso conversar, porque não pode acontecer. Tem que viver intensamente - opinou.

As cobranças por mais comprometimento no grupo de jogadores do Tricolor começaram com a torcida após a goleada por 6 a 1 sofrida para o Corinthians no último domingo. No dia seguinte, em coletiva de imprensa, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, reforçou o coro por mais atitude dos atletas e viu o discurso ser compartilhado por Rodrigo Caio. Para Wesley, no entanto, os jogadores não deveriam falar sobre o assunto.


- O presidente tem o direito de cobrar como quiser e nós temos que acatar. A comissão precisa avaliar quem não está comprometido, não adianta nós jogadores ficarmos conversando de canto. NE também não dá para ficar descomprometido num clube grande, de títulos e tradição. Se passar despercebido pelo elenco, pela comissão técnica não passará. Temos que ir para os jogos com jogadores comprometidos e que colocarão a cara. Somos maduros para superar qualquer situação - afirmou.

Confira outros trechos da entrevista coletiva do volante Wesley:

Você foi um dos jogadores mais criticados pela torcida no protesto de terça-feira. No Palmeiras, também sofreu com isso. Como encara?

​Não justifica o que aconteceu (no 6 a 1), foi vergonhoso, mas só depende de nós. Torcedor vai debaixo de sol e chuva, quer a vitória sempre e nós precisamos fazer de tudo para melhorar isso. A crítica aos experientes é normal e por isso estou aqui para assumir a responsabilidade. Se me cobram é porque tenho qualidade e esperam algo. Não será a última vez e não foi a primeira. Vou dar a resposta o quanto antes, não tenho medo e darei meu melhor. Vou colocar a equipe do São Paulo onde ela merece estar. Sei o que posso representar no grupo e não tenho medo.

Mas acredita que pode ser um líder na próxima temporada? Já rendeu o que pode render desde que chegou ao São Paulo?
Com certeza posso ser. Estou aqui para isso. Já passei por bastante situação, sou experiente e sei que posso dar conta do recado nesse aspecto. Com meus companheiros quero mostrar que posso ser líder de um clube como esse. Outros também podem ser esse líder. Sei das minhas qualidades, do que posso fazer na equipe jogando ou como opção. Onde passei fui campeão e quero isso aqui. Sou novo no elenco, mas uma hora ou outra foi ser titular. Tive altos e baixos, uma lesão bem quando teria sequência, mas não é desculpa.