São Paulo x Vitória

Contra o Vitória, Tricolor venceu no Morumbi. Depois empatou com o Flamengo fora (Foto: Ale Cabral)

Bruno Grossi
23/06/2016
10:00
São Paulo (SP)

Nada tem sido fácil para o São Paulo nesta temporada. A falta de resultados no Campeonato Paulista, o início difícil na Libertadores e os frequentes desfalques por lesão já foram obstáculos para o Tricolor. Mas, como já aconteceu para chegar à semifinal do torneio sul-americano, o clube sabe que somente as vitórias garantem paz ao dia a dia do elenco.

Nesta quinta-feira, às 21h, no Morumbi, vencer o Sport pela décima rodada do Brasileirão servirá muito mais para a diretoria se proteger do que causará efeitos aos comandados de Edgardo Bauza. Patón tem conseguido manter o grupo blindado, enquanto os dirigentes têm novos problemas a resolver.

No início do ano, não foram poucas as pedras no caminho. Era preciso ainda apagar os efeitos do 6 a 1 para o Corinthians no fim de 2015 quando novo atraso salarial gerou greve de silêncio nos jogadores. Kieza, contratado por R$ 4 milhões após longa novela, pediu para sair depois de dois jogos. E Rodrigo Gaspar, assessor da presidência, causou tumulto ao criticar Rodrigo Caio e Michel Bastos no Twitter, mas foi mantido no cargo.

Houve ainda a manutenção de Ataíde Gil Guerreiro no corpo diretivo - saiu de vice-presidente de futebol para diretor institucional, desagradando conselheiros e torcedores. Em campo, porém, Patón ajeitou o time, que deixou derrota para o The Strongest (BOL) esquecida para ser o único clube brasileiro na semifinal da Libertadores, quando irá encarar o Atlético Nacional (COL).

Para começar os novos problemas são-paulinos, o tempo diminui na mesma proporção em que o cenário fica mais complicado nas negociações por Maicon. Perdê-lo para a semifinal da Libertadores seria um choque difícil de ser reparado com os torcedores. A confiança existe, mas a pressão é intensa.

Também pressionados, os dirigentes precisaram rever a contratação de Getterson. O atacante foi anunciado na tarde da última quarta-feira como reforço e, em minutos, passou a ser perseguido pela torcida, que encontrou postagens do atacante no Twitter se declarando corintiano e chamando o São Paulo de “bambi”. No fim da noite, a transação foi cancelada.

Chegar com vitória ao clássico contra o Santos, quando os titulares passarão a ser poupados por Bauza pela Libertadores, será importante para não perder os líderes do Brasileirão de vista. Mas, acima de tudo, será um alívio à diretoria.