icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
25/08/2015
08:55

Com as chances de Juan Carlos Osorio deixar o São Paulo ainda nesta semana, o LANCE! reuniu sua equipe para discutir o trabalho do treinador colombiano e a ação, ou inação para alguns, da diretoria do clube. O vice-presidente de futebol tricolor, Ataíde Gil Guerreiro, tem insistido que o treinador seguirá no Morumbi, mas um desfecho só deve acontecer após o jogo contra o Ceará, às 19h30 desta quarta-feira, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Veja as opiniões abaixo:

Eduardo Tironi, colunista do LANCE!
"Osorio é muito diferente do que temos, é um estudioso. Enfim, é um modelo de treinador que não existe no Brasil, não há nada parecido. O momento dele é muito delicado, mas não coloco em sua conta a fase do São Paulo. O time foi esfacelado no meio do campeonato, não consigo me lembrar de algo parecido acontecendo com outro time grande no Brasileiro. Foram oito jogadores vendidos em três meses, o panorama era diferente quando ele chegou. É injusto a diretoria querer cobrar algo de Osorio, ele arrisca, aposta, faz diferente. Está fazendo o que pode. Não acho que diretoria esteja lutando para mantê-lo no cargo, mas deveria. É a única coisa diferente que o São Paulo teve nos últimos anos".

Bruno Grossi, repórter do LANCE!
"Em um discurso simples, pode-se cobrar que Juan Carlos Osorio recue um pouco com suas convicções até que, com futebol burocrático e batido, a paz seja restaurada no Morumbi. O colombiano, acredito, não veria problema em diminuir o ritmo da implantação de seus princípios, desde que tivesse respaldo da diretoria - e da realidade medíocre do futebol brasileiro. Mas por que abrir mão daquilo em que acredita sabendo que uma demissão pode vir a qualquer hora ou que há uma seleção interessada justamente nessas convicções?"

André Kfouri, colunista do LANCE!
"É muito cedo para avaliar o trabalho de Osorio. Evidentemente, desde que chegou, ele cometeu erros e acertos, mas o trabalho de um técnico não pode ser avaliado em tão pouco tempo. Ele está conhecendo os jogadores e está tentando fazer o time jogar conforme suas convicções. Ele deve ficar. Não posso acreditar que a diretoria o contratou para fazer o trabalho igual ao de qualquer outro técnico, foi uma questão de conviccção".

João Carlos Assumpção, colunista do LANCE!
"É um ótimo técnico, precisa de tempo, a diretoria tem que ter paciência com Osorio. E ele tem que reconhecer alguns equívocos que cometeu neste começo de trabalho. O momento é complicado, os jogadores apoiaram, mas os resultados não estão aparecendo, ele já entrou em atrito com a diretoria, ao reclamar dos jogadores vendidos, e teve um dos resultados mais vexatórios do ano, a derrota para o Ceará em casa. Mesmo assim, daria mais um tempo para Osorio no São Paulo".

Fernando Faro, editor do LANCE!
"Osorio não precisa do São Paulo. O São Paulo é que precisa de Osorio. Ao prometer A e entregar Z, a diretoria se desmoraliza ainda mais (parece não haver fundo o poço) e abandona à própria sorte aquele que deveria ser o comandante de uma revolução no futebol tricolor. Deixar o Morumbi não seria demérito algum para ele, afinal além de embarcar diretamente num projeto mais sério e comprometido, a sensação de fracasso na empreitada de tentar o sucesso no Brasil ficaria suprimida - ou ao menos parcialmente remediada - diante da sensação de que ele comprou gato por lebre e não teve as condições que lhe foram prometidas".

Valdomiro Neto, editor do LANCE!
"A diretoria do São Paulo deveria fazer ouvidos moucos para as críticas e manter Osorio. Se quis apostar em um técnico estrangeiro para fugir do senso comum, precisa também fugir do senso comum brasileiro de demitir treinador como resposta imediata para os maus resultados. É preciso dar tempo para que a filosofia dê resultados. No caso do colombiano, existe o agravante das seguidas vendas de jogadores. Doses mínimas de autocrítica fariam bem ao comando tricolor neste caso: 'Vamos manter Osorio por convicção e também porque reduzimos bastante suas condições de trabalho'".  

 



Com as chances de Juan Carlos Osorio deixar o São Paulo ainda nesta semana, o LANCE! reuniu sua equipe para discutir o trabalho do treinador colombiano e a ação, ou inação para alguns, da diretoria do clube. O vice-presidente de futebol tricolor, Ataíde Gil Guerreiro, tem insistido que o treinador seguirá no Morumbi, mas um desfecho só deve acontecer após o jogo contra o Ceará, às 19h30 desta quarta-feira, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Veja as opiniões abaixo:

Eduardo Tironi, colunista do LANCE!
"Osorio é muito diferente do que temos, é um estudioso. Enfim, é um modelo de treinador que não existe no Brasil, não há nada parecido. O momento dele é muito delicado, mas não coloco em sua conta a fase do São Paulo. O time foi esfacelado no meio do campeonato, não consigo me lembrar de algo parecido acontecendo com outro time grande no Brasileiro. Foram oito jogadores vendidos em três meses, o panorama era diferente quando ele chegou. É injusto a diretoria querer cobrar algo de Osorio, ele arrisca, aposta, faz diferente. Está fazendo o que pode. Não acho que diretoria esteja lutando para mantê-lo no cargo, mas deveria. É a única coisa diferente que o São Paulo teve nos últimos anos".

Bruno Grossi, repórter do LANCE!
"Em um discurso simples, pode-se cobrar que Juan Carlos Osorio recue um pouco com suas convicções até que, com futebol burocrático e batido, a paz seja restaurada no Morumbi. O colombiano, acredito, não veria problema em diminuir o ritmo da implantação de seus princípios, desde que tivesse respaldo da diretoria - e da realidade medíocre do futebol brasileiro. Mas por que abrir mão daquilo em que acredita sabendo que uma demissão pode vir a qualquer hora ou que há uma seleção interessada justamente nessas convicções?"

André Kfouri, colunista do LANCE!
"É muito cedo para avaliar o trabalho de Osorio. Evidentemente, desde que chegou, ele cometeu erros e acertos, mas o trabalho de um técnico não pode ser avaliado em tão pouco tempo. Ele está conhecendo os jogadores e está tentando fazer o time jogar conforme suas convicções. Ele deve ficar. Não posso acreditar que a diretoria o contratou para fazer o trabalho igual ao de qualquer outro técnico, foi uma questão de conviccção".

João Carlos Assumpção, colunista do LANCE!
"É um ótimo técnico, precisa de tempo, a diretoria tem que ter paciência com Osorio. E ele tem que reconhecer alguns equívocos que cometeu neste começo de trabalho. O momento é complicado, os jogadores apoiaram, mas os resultados não estão aparecendo, ele já entrou em atrito com a diretoria, ao reclamar dos jogadores vendidos, e teve um dos resultados mais vexatórios do ano, a derrota para o Ceará em casa. Mesmo assim, daria mais um tempo para Osorio no São Paulo".

Fernando Faro, editor do LANCE!
"Osorio não precisa do São Paulo. O São Paulo é que precisa de Osorio. Ao prometer A e entregar Z, a diretoria se desmoraliza ainda mais (parece não haver fundo o poço) e abandona à própria sorte aquele que deveria ser o comandante de uma revolução no futebol tricolor. Deixar o Morumbi não seria demérito algum para ele, afinal além de embarcar diretamente num projeto mais sério e comprometido, a sensação de fracasso na empreitada de tentar o sucesso no Brasil ficaria suprimida - ou ao menos parcialmente remediada - diante da sensação de que ele comprou gato por lebre e não teve as condições que lhe foram prometidas".

Valdomiro Neto, editor do LANCE!
"A diretoria do São Paulo deveria fazer ouvidos moucos para as críticas e manter Osorio. Se quis apostar em um técnico estrangeiro para fugir do senso comum, precisa também fugir do senso comum brasileiro de demitir treinador como resposta imediata para os maus resultados. É preciso dar tempo para que a filosofia dê resultados. No caso do colombiano, existe o agravante das seguidas vendas de jogadores. Doses mínimas de autocrítica fariam bem ao comando tricolor neste caso: 'Vamos manter Osorio por convicção e também porque reduzimos bastante suas condições de trabalho'".