Marcio Porto
11/03/2016
08:00
Enviado especial a Buenos Aires (ARG)

Contratado no fim de janeiro, o atacante Kieza já pode deixar o São Paulo rumo ao Vitória após apenas duas partidas. Para liberá-lo, porém, o Tricolor quer dois jogadores da base do clube baiano.

O presidente do São Paulo, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, disse que Kieza não "aceitou muito bem" ficar entre os reservas do técnico Egardo Bauza. Na partida contra o River Plate (ARG), em Buenos Aires, por exemplo, o atacante foi cortado do banco de reservas.

- O Kieza é um jogador de qualidade, que nós não contratamos à toa, que nós valorizamos, mas nós também não podemos lutar contra uma determinação que ele eventualmente tenha de querer jogar, de não se importar em jogar em uma equipe menor, jogar uma coisa mais regional, qualquer coisa assim. No São Paulo, nós temos quatro campeonatos, precisamos de mais jogadores, mas ele não aceitou muito bem isso, ele se deprimiu, mas não se rebelou em nenhum momento - afirmou Leco, no Estádio Monumental de Nuñez.

- Não sei (se vamos liberar), estamos conversando, tenho recebido o pedido insistentemente. Nós estamos, na verdade, interessados em dois jogadores deles da base, se nós conseguirmos isso, aí facilita a negociação - acrescentou o dirigente.

Para contratar Kieza, o São Paulo pagou 1 milhão de dólares (cerca de R$ 4 milhões) ao Shanghai Shenxin, da China. Por isso, o Tricolor não liberará o jogador sem uma compensação. O atacante tem contrato válido até o dia 31 de dezembro de 2019.

Além de Kieza, o São Paulo conta em seu elenco com os centroavantes Calleri e Alan Kardec. O argentino tem sido titular.