icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
icons.title signature.placeholder LANCEPRESS!
21/08/2015
17:30

O interesse do México em contar com seu trabalho divide sentimentos no técnico Juan Carlos Osorio. Por um lado, a tentação de dirigir uma seleção, um de seus objetivos de carreira. Do outro, o desafio de fazer sucesso no Brasil, devolvendo ao São Paulo o caminho das conquistas. A segunda opção, pelo menos por enquanto, seduz mais o colombiano.

Quem convive com Osorio relata que ele ficou muito lisonjeado com o interesse mexicano, revelado pelo jornal AS, como já havia externado na entrevista coletiva após a derrota de 2 a 1 para o Ceará, na última quinta-feira. Essas mesmas pessoas, no entanto, afirmam que o treinador deixa claro que dificilmente abrirá mão daquele que considera o maior desafio da carreira. Osorio quer porque quer vencer pelo São Paulo.

Essa postura, que vem da personalidade do colombiano, como relatado, o faz relevar os problemas que já detectou no clube, desde à estrutura política às dificuldades com o elenco. Desde que chegou, Osorio viu a diretoria se desfazer de sete jogadores. Ele também já relatou os problemas encontrados para implantar a filosofia de rodízio entre os atletas. A estratégia é uma de suas bandeiras de trabalho. Por fim, encarou críticas após os dois últimos jogos, derrotas de 3 a 0 para o Goiás e 2 a 1 para os reservas do Ceará, no mesmo Morumbi, onde ele admitiu erro nas escalações. 

Juan Carlos Osorio, no comando do São Paulo no Morumbi

Osorio também já provou que, como mesmo disse, dá prioridade ao projeto de trabalho em detrimento da questão financeira. Antes de fechar com o São Paulo, o treinador recusou uma proposta com salário muito melhor do Cruz Azul, do México. Esse é outro fator que deixa os dirigentes do Tricolor que o defendem tranquilos de que ele irá permanecer no clube.

Por outro lado, Osorio já disse que tem como projeto de carreira dirigir três seleções. Há, porém, uma questão curiosa neste sentido. Abertamente, o treinador já falou de seu sonho de assumir a Colômbia, seleção do seu país, e os Estados Unidos, por já ter morado e trabalhado lá, e ser um local com ótima estrutura para oferecer à família. A terceira seleção ele não abre. Nem as pessoas do São Paulo sabem dizer com precisão qual é. Poderia ser a brasileira, mas é bom lembrar que o treinador já disse que o Brasil deve ser dirigido por um não estrangeiro.

Para a diretoria do São Paulo, Osorio nada falou sobre proposta do México. Enquanto isso, ele treinou o time normalmente nesta sexta-feira. No próximo domingo, o São Paulo vai ao Maracanã, onde enfrenta o Flamengo, na abertura do segundo turno do Campeonato Brasileiro. O Tricolor está na 6ª colocação, com 31 pontos ganhos.


O interesse do México em contar com seu trabalho divide sentimentos no técnico Juan Carlos Osorio. Por um lado, a tentação de dirigir uma seleção, um de seus objetivos de carreira. Do outro, o desafio de fazer sucesso no Brasil, devolvendo ao São Paulo o caminho das conquistas. A segunda opção, pelo menos por enquanto, seduz mais o colombiano.

Quem convive com Osorio relata que ele ficou muito lisonjeado com o interesse mexicano, revelado pelo jornal AS, como já havia externado na entrevista coletiva após a derrota de 2 a 1 para o Ceará, na última quinta-feira. Essas mesmas pessoas, no entanto, afirmam que o treinador deixa claro que dificilmente abrirá mão daquele que considera o maior desafio da carreira. Osorio quer porque quer vencer pelo São Paulo.

Essa postura, que vem da personalidade do colombiano, como relatado, o faz relevar os problemas que já detectou no clube, desde à estrutura política às dificuldades com o elenco. Desde que chegou, Osorio viu a diretoria se desfazer de sete jogadores. Ele também já relatou os problemas encontrados para implantar a filosofia de rodízio entre os atletas. A estratégia é uma de suas bandeiras de trabalho. Por fim, encarou críticas após os dois últimos jogos, derrotas de 3 a 0 para o Goiás e 2 a 1 para os reservas do Ceará, no mesmo Morumbi, onde ele admitiu erro nas escalações. 

Juan Carlos Osorio, no comando do São Paulo no Morumbi

Osorio também já provou que, como mesmo disse, dá prioridade ao projeto de trabalho em detrimento da questão financeira. Antes de fechar com o São Paulo, o treinador recusou uma proposta com salário muito melhor do Cruz Azul, do México. Esse é outro fator que deixa os dirigentes do Tricolor que o defendem tranquilos de que ele irá permanecer no clube.

Por outro lado, Osorio já disse que tem como projeto de carreira dirigir três seleções. Há, porém, uma questão curiosa neste sentido. Abertamente, o treinador já falou de seu sonho de assumir a Colômbia, seleção do seu país, e os Estados Unidos, por já ter morado e trabalhado lá, e ser um local com ótima estrutura para oferecer à família. A terceira seleção ele não abre. Nem as pessoas do São Paulo sabem dizer com precisão qual é. Poderia ser a brasileira, mas é bom lembrar que o treinador já disse que o Brasil deve ser dirigido por um não estrangeiro.

Para a diretoria do São Paulo, Osorio nada falou sobre proposta do México. Enquanto isso, ele treinou o time normalmente nesta sexta-feira. No próximo domingo, o São Paulo vai ao Maracanã, onde enfrenta o Flamengo, na abertura do segundo turno do Campeonato Brasileiro. O Tricolor está na 6ª colocação, com 31 pontos ganhos.