Calleri - Boca Juniors (Foto: AFP)

Após um ano e meio de clube, Jonathan Calleri se despediu do Boca Juniors nesta semana (Foto: AFP)

Bruno Grossi
15/01/2016
05:20
São Paulo (SP)

Assunto da semana em Belo Horizonte, o atacante Jonathan Calleri, destaque do Boca Juniors (ARG) na última temporada, também é alvo do São Paulo. A operação para ter o argentino de 22 anos é complicada, mas é o próprio pai e empresário do atleta, Guillermo Calleri, quem admite a possibilidade de o filho defender o Tricolor em 2016.

- Sim, é uma possibilidade ir ao Brasil e, sim, o São Paulo é uma opção - confirmou o representante da revelação do All Boys, também da Argentina.

Já está acertado que Calleri não defenderá mais o Boca, que apostará em Carlitos Tévez e Pablo Osvaldo para formar o ataque na Copa Libertadores da América. O garoto, então, está prestes a assinar com o Deportivo Maldonado, time administrado pelo empresário Juan Figer - que ajudou Diego Lugano a volta ao Morumbi -, por mais de U$ 10 milhões (cerca de R$ 40 milhões) para depois ser repassado à Internazionale (ITA).

No time de Milão, Jony, como é chamada a promessa, não poderá ser inscrito imediatamente. Assim, seu pai e os integrantes do Deportivo Maldonado acreditam que o futebol brasileiro pode ser uma boa ponte para o atacante. O Atlético-MG parecia bem perto de fechar com o argentino, mas a intervenção do técnico Edgardo Bauza pode favorecer o São Paulo - no Tricolor, há ainda Ricardo Centurión, com quem o jovem fez parceria em categoria de base na seleção argentina.

Pessoas envolvidas na compra de Calleri pelo Maldonado dizem que nada será definido sobre o empréstimo de seis meses enquanto a operação para tirá-lo do Boca não for concluída. Pelas novas regras da Fifa, que estão em vigor desde o primeiro semestre de 2015, investidores não podem comprar direitos econômicos de atletas e, por isso, o caso passa por "investigação financeira" na Argentina, explicou um advogado ligado ao processo.

O aval das autoridades fiscais para a contratação, no entanto, deve sair já nos próximos dias, pois no caso da Stellar Group, que colocará o dinheiro na operação, os investidores na verdade participam da administração do Deportivo Maldonado. No Brasil, isso acontece em clubes como Tombense (MG), Penapolense (SP) e Monte Azul (SP), por exemplo.

O Boca contratou Calleri em julho de 2014 por U$ 1,5 milhão, valor que na época beirava "apenas" R$ 3 milhões. Com a valorização do dólar e do próprio atleta no clube de La Bombonera, a compra por um time brasileiro passou a ser sonho distante devido aos R$ 40 milhões exigidos. Antes da Internazionale, Palermo (ITA) e Chelsea (ING) também foram citados como interessados.

No Brasil, o diário Olé apontava também o Grêmio como candidato, mas o diretor executivo Rui Costa deu as tratativas por encerradas diante do avanço das conversas com o Atlético-MG e, agora, com o São Paulo. Calleri tem 86 partidas como profissional e 28 gols, sendo o mais bonito deles de letra, por cobertura, em vitória do Boca Juniors por 2 a 1 sobre o Quilmes em julho de 2015, partida que marcou a reestreia de Tévez pelo time xeneize.

FICHA TÉCNICA

Nome:
Jonathan Calleri
Nascimento: 23 de setembro de 1993, em Buenos Aires (ARG)
Peso e altura: 75kg e 1,79m
Posição: Atacante
Clubes: All Boys (ARG) e Boca Juniors (ARG)
Títulos: Campeonato Argentino (2015) e Copa Argentina (2015)