Milton Cruz visitou o Palmeiras nesta sexta-feira (FOTO: Thiago Ferri)

Milton Cruz visitou o Palmeiras nesta sexta-feira (FOTO: Thiago Ferri)

Fellipe Lucena
30/07/2016
08:05
São Paulo (SP)

Milton Cruz fez uma visita a Cuca nesta sexta-feira, durante o treino do Palmeiras na Academia de Futebol. O técnico que lidera o Campeonato Brasileiro não foi o primeiro a receber o ex-coordenador técnico do São Paulo. Ainda magoado com sua demissão, em março, Milton tenta deixar os 22 anos de Morumbi no passado e  tem conversado com muitos treinadores nos últimos meses. Tantas vezes interino no Tricolor, ele quer se fixar como técnico.

- Estou sendo incentivado pelo amigos, Cuca, Muricy, Leão, Paulo Autuori, Oswaldo, Osorio... Estou pensando seriamente (em virar treinador). Vamos ver se aparece alguma coisa interessante, que dê tempo para trabalhar também. Futebol não tem mágica, então tem de ter tempo de trabalho, uma condição legal. Estive na Europa vendo a Champions, estive lá com o Zidane no Real Madrid, depois fui para o Atlético com o Simeone, no Barcelona com o Luis Enrique, depois estive com o Blanc no PSG, voltei, fui ver a Copa América, com Osorio, Klinsmann... Estive na Seleção também, com Rogério, Dunga, Gilmar. Estou me preparando para ver se tomo essa decisão mesmo. Tive alguns convites aqui do Brasil, o pessoal do Coritiba falou comigo, agora estamos conversando com dois, três times aí. Vamos ver o que vai acontecer - disse Milton Cruz, após assistir de perto à coletiva de Cuca.

- Eu vim para conversar. Ontem estivemos em um evento juntos, eu, ele, Muricy... Ele falou para eu dar um pulo aqui, trocar ideias. Fazia tempo que a gente não se falava, ele foi para a China. Tivemos um período legal no São Paulo, nos demos muito bem, e sempre trocamos informações. Ele me liga para falar sobre jogadores. É uma amizade - acrescentou.

Sempre sorridente, Milton Cruz não consegue esconder a chateação quando o assunto é sua saída do São Paulo. Ele deixa claro que não concordou com a justificativa apresentada pelo presidente do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva, mas tenta exaltar a parte boa:

- Fiquei um pouco magoado pela forma que foi, mas cada um trabalha com quem quer. O São Paulo me deu muita coisa e eu também dei muito retorno. Agora a gente espera uma nova oportunidade. A vida tem vários caminhos para serem seguidos. Foi uma decisão da diretoria, do presidente. Não foi o Bauza. O Bauza nem sabia. Disseram que queriam fazer uma reformulação, contenção de despesas... Contenção de despesas com um cara que deu retorno grande ao clube. Não existe, né? Mas ele é presidente e toma a decisão que quer, a gente tem que acatar. Fiz grandes amigos e a vida segue. Sou jovem ainda, o São Paulo é passado.