Bruno Grossi
19/05/2016
17:28
São Paulo (SP)

Uma das imagens mais marcantes da festa do São Paulo pela classificação à semifinal da Copa Libertadores da América teve Eugenio Mena como protagonista. Assim que o duelo com o Atlético-MG terminou, na última quarta-feira, o chileno começou a chorar copiosamente e procurou o médico José Sanchez para dar um longo abraço no gramado do Independência.

O carinho do lateral-esquerdo com o médico deve-se aos esforços para que a entorse no tornozelo direito fosse tratada a tempo das decisões contra o Galo. Mena encarou as dores e atuou nos 180 minutos do confronto como um dos destaques do time. O camisa 21 agora se despede para disputar a Copa América pelo Chile e pode perder até nove rodadas do Campeonato Brasileiro.

- Aquela emoção aconteceu por causa da superação dele. É um cara muito sério, profissional e guerreiro para caramba. Mérito foi muito maior dele. Talvez o abraço tenha sido ocasional pela circunstância do jogo. Eu é que precisava abraçá-lo, porque ele me deu uma alegria enorme - destacou José Sanchez.

O médico são-paulino aproveitou o  contato com a imprensa no Aeroporto de Congonhas nesta quinta-feira para falar sobre os casos de Thiago Mendes e Michel Bastos. Ambos saíram no segundo tempo contra o Atlético acusando problemas físicos e serão reavaliados. A tendência é que não encarem o Internacional, às 16h de domingo, no Morumbi, pelo Brasileirão.

- Se Deus quiser conseguiremos recuperar todo mundo para as semifinais da Libertadores, porque há tempo (48 dias). Vamos analisar amanhã, porque há questões além das médicas. O Michel se queixou de dores na coxa direita, que tem uma fibrose causada por uma lesão anterior. Em cima disso teve contratura e agora com esse esforço pode ter sentido de novo. Já o Thiago Mendes foi só a pancada de uma "paulistinha" - explicou.