Bruno Grossi
13/09/2016
06:35
São Paulo (SP)

Kelvin nunca jogou tanto na carreira. Em quantidade, alcançar 33 partidas é feito inédito para o atacante. Em qualidade, voltou a ser o ponto de desequilíbrio do São Paulo. A pessoas próximas, comemora a volta da confiança, perdida após lesão. No Tricolor, celebra-se a maior efetividade do camisa 30, mas mantém-se os pés no chão. Afinal, é preciso encontrar uma forma de mantê-lo em 2017.

Emprestado pelo Porto (POR), Kelvin tem contrato até 31 de dezembro deste ano. Durante as negociações por Maicon, os paulistas sondaram os Dragões sobre as condições de um eventual negócio, mas não passaram daí. Agora, com a transição de gestão de Gustavo Oliveira para Marco Aurélio Cunha, os contatos devem ser retomados logo. E o atleta promete ser um grande trunfo.

O atacante já avisou seus representantes que deseja permanecer no Morumbi. A chance de ter sequências longas como titular e o carinho da torcida o animam para passar mais tempo como tricolor. Em comparação à passagem pelo Palmeiras, já são dez partidas a mais e o triplo de gols – três contra um. Além disso, tem chamado a responsabilidade na criação das jogadas e deu duas assistências nos últimos dois confrontos.

Kelvin disputou 33 partidas pelo São Paulo, com três gols - contra Linense, Trujillanos (VEN) e Figueirense - e seis assistências

No total, são seis passes para gols na temporada, mesma marca de Bruno e Michel Bastos e inferior apenas à de Ganso, que lidera o quesito com sete mesmo após ter saído para o Sevilla (ESP). Os números evidenciam uma evolução de Kelvin, antes tachado pela falta de objetividade. Depois da boa atuação contra o Palmeiras, o atacante se mostrou aliviado e confiante para voltar a partir para cima dos marcadores, sua principal característica.

A lesão muscular que o tirou da semifinal da Libertadores foi tratada, mas o jogador não se sentia confortável para arrancar. O bom desempenho contra o rival o livrou desse peso e sobrou para o Figueirense: gol e assistência no domingo. Ao mesmo tempo, em Portugal, os jornais repetem o roteiro da novela por Maicon e dizem que o Porto deseja a volta de Kelvin.


O São Paulo conhece as armas lusitanas e ainda terá a favor, diferentemente do que no caso do zagueiro, o apoio dos empresários, a pedido do atacante. Em contrapartida, seduzir os portugueses será mais difícil enquanto não for definido segundo atleta da base a ser cedido na troca por Maicon. Inácio já está no time B dos Dragões, que não quiseram levar Lucão e ouviram recusa de Lyanco. Essa segunda peça precisa ser definida até junho de 2017.

OUTROS ATLETAS EM FIM DE CONTRATO

Mena

Empréstimo do Cruzeiro termina no fim do ano. Foi com Mano Menezes, que voltou à Raposa, que o chileno perdeu espaço e pediu para sair.

Ytalo
O contrato de observação é até o fim de 2016 e acabou atrapalhado por lesão grave. Só deve ficar para tratamento.

Léo
Reserva imediato de Denis tem vínculo até o fim deste ano. Está há mais de uma década no clube e tem destino ainda incerto.

Marco Aurélio Cunha ao São Paulo
Marco Aurélio Cunha terá de trabalhar para atender às expectativas do técnico Ricardo Gomes para 2017 (Foto: Divulgação)

Shaylon
Uma das maiores apostas da base, está emprestado pela Chapecoense até o fim de janeiro, quando termina a Copa São Paulo de Juniores.

Lugano
Vínculo vai até 30 de junho de 2017 e a tendência é que o ídolo encerre a carreira no clube.

Chavez
Empréstimo do Boca Juniors (ARG) também termina no fim de junho, assim como o do São Paulo por Centurión.

João Schmidt

Um dos casos que o clube já tratava com Gustavo Oliveira e precisa retomar. Pode assinar pré-contrato em janeiro.