LANCE!
04/07/2016
13:29
São Paulo (SP)

O São Paulo tem usado o Morumbi para arrancar na Copa Libertadores da América. Lá, fez as melhores partidas da temporada, que poderiam servir como parâmetro para o duelo desta quarta-feira, às 21h45, contra o Atlético Nacional (COL). Mas não para o zagueiro Maicon. Segundo o capitão, a primeira semifinal é que será o jogo modelo para o resto do ano.

- Vamos entrar com outra mentalidade, é semifinal de Libertadores. O que passou já foi. Temos que ser fortes, porque estamos a um passo de uma final. Só o Lugano foi campeão aqui, então precisamos de uma mentalidade mais forte. Não dá para comparar com o que já passou. A competição é outra, a mentalidade é outra. Mata-mata, se você erra, está fora. Vamos pensar na Libertadores e tentar errar o mínimo possível. Espero que seja um time melhor. Vamos trabalhar para ser mais competitivos e não sofrer tanto como foi contra o Atlético-MG. Temos que vencer em casa para não sofrer tanto fora - avisou.


A concentração pedida pelo capitão será ainda mais essencial diante dos desfalques da equipe de Edgardo Bauza. O meia Paulo Henrique Ganso e o atacante Kelvin estão fora do primeiro confronto com os colombianos, enquanto Mena e Hudson só foram liberados nesta segunda-feira. Mas, para Maicon, não há razão para se preocupar.

- Eles estão trabalhando para se recuperar, mas tenho certeza que o professor Bauza está preparando um time forte para vencermos. E seria importante não tomar gols em casa. O Atlético vai querer jogar de igual para igual, mas sem ser muito ofensivo. Perdemos nosso número 10, aquele armador que faz a bola chegar no ataque, mas confio que alguém vai fazer essa função. A falta do nosso 10 será complicada, é nosso melhor armador, mas temos jogadores, diferentes, que podem dar conta do recado. Podem ajudar em termos táticos, defensivamente - opinou o camisa 27, que fará o primeiro jogo com o contrato de quatro anos de duração com o São Paulo.

Confira outros trechos da entrevista coletiva de Maicon:

Como manter as características do time? A defesa será decisiva?

A postura tem que ser a mesma de antes, mesmo com jogadores sejam diferentes. Já não tivemos o Michel e o time foi bem. A dinâmica e a concentração contam mais para um resultado positivo. Todos precisam estar bem na defesa, para o meio ficar mais tranquilo. Com desfalques ou não, vamos ao ataque. Em casa é nossa característica jogar ofensivo.

Não ter contratado reforços atrapalha? E sua permanência?
Acredito que se não tiveram reforços é porque decidiram que não havia necessidade. Se o time conseguiu a classificação jogando bem, fora a estreia na fase de grupos, talvez não precisasse mudar. E fico feliz de ter renovado, assim como o Calleri prorrogou o contrato para a Libertadores. Tomara que fique mais, porque é um jogador importante. Era meu desejo ficar. A equipe está com bastante vontade e garra.

Maicon do São Paulo
O zagueiro tem três gols na temporada (Foto: Ale Cabral/Agif )

Como você, com larga experiência em torneios de mata-mata, ajuda o time?
A gente tenta passar tranquilidade para todo mundo. Temos uma equipe experiente, mesmo sem jogar tanto mata-mata. Falamos para trabalhar taticamente com a cabeça tranquila, porque assim podemos errar menos. E quem errar menos é que vai passar. O jogo precisa ser tranquilo, mesmo com tanta responsabilidade. Vamos fazer um bom resultado em casa para jogar mais tranquilo fora.

Qual a importância do Morumbi e de Bauza na Libertadores?
Nossa obrigação é classificar. Vamos buscar isso nos dois jogos, não importa onde. Claro que em casa o peso é maior e na Libertadores temos feito o resultado sempre. Espero que não seja diferente. Bauza é nosso líder, um treinador que não desiste. Principalmente na Libertadores, ele pegou um time que não era favorito e classificou em todas as vezes. Ele nos motiva e dá força.