Lucas fez o segundo gol do PSG

Lucas comemora gol pelo PSG na França (Foto: Franck Fife / AFP)

Marcio Porto
30/05/2016
07:30
São Paulo (SP)

O São Paulo contou com um torcedor ilustre no clássico contra o Palmeiras, no último domingo, no Morumbi. De férias no Brasil, o meia Lucas, do PSG (FRA), aproveitou o tempo livre para matar a saudade do ex-clube e foi pé quente: vitória tricolor por 1 a 0. Antes do confronto, ele concedeu entrevista exclusiva ao LANCE! e falou sobre a fase do Tricolor. Lucas acredita que o time de Edgardo Bauza será campeão da Libertadores, conquistando o tetra.

Lucas contou que, mesmo à distância, está sempre vendo os jogos do São Paulo e falou com detalhes da campanha na Libertadores.

- Começou de uma maneira que ninguém acreditava, capengando, mas durante a competição ganhou uma forma. Está crescendo muito, é uma competição que o São Paulo está acostumado, a torcida também gosta muito. Acho que tem tudo para chegar. Chegamos na semi, agora a força do elenco, tradição vai contar muito - disse Lucas, para depois responder se acredita no título.


- Acredito, acredito que chega, sim.

Caso a projeção do do meia se confirme, o São Paulo ganhará o direito de disputar o Mundial de Clubes no fim do ano, como representante da América do Sul. Poderia, portanto, fazer uma final contra o poderoso Real Madrid (ESP), confirmado como representante europeu após vencer a Liga dos Campeões. E aí, Lucas, tem chance? Ele acredita que sim e explica por que.

- É muito difícil, claro, uma das maiores equipes do mundo, mas toda vez que os clubes brasileiros chegaram à final do Mundial, contra grandes clubes da Europa, o Brasil sempre levou vantagem. E por que não acreditar dessa vez? - declarou o jogador do PSG.

Lucas não deixa de ter razão. Nas últimas quatro vezes em que um clube brasileiro decidiu o Mundial, levou vantagem em três: Em 2012, o Corinthians bateu o Chelsea; Em 2006, o Internacional superou o Barcelona e em 2005 o São Paulo foi tricampeão vencendo o Liverpool. A exceção é o Santos de 2011, que tomou 4 a 0 do Barcelona.

No retrospecto tricolor, ainda há os títulos de 1992 em cima do Barcelona e de 1993, sobre o Milan (ITA). Em contrapartida, Internacional, em 2010, e Atlético-MG, em 2013, caíram nas semifinais, para Mazembe, do Congo, e Raja Casablanca, de Marrocos, respectivamente.

Lucas ainda fez uma análise de sua temporada na França, com título do campeonato francês e Copa da França, da frustração de não ter sido chamado para a disputa da Copa América e respondeu à pergunta que todo são-paulino faz: quando volta? Confira mais da entrevista abaixo.

Você sempre vem acompanhar aos jogos?
Sempre quando estou de férias no Brasil, venho aqui no Morumbi. Ver os amigos que ficam aqui, sempre bom reviver esse ambiente

Qual análise faz de sua temporada na França?
A temporada minha foi boa, muito positiva, cresci bastante, evolui bastante, sou muito mais completo hoje. Estou muito feliz individualmente falando. Claro que coletivamente foi muito boa, conquistamos todos os títulos na França, mas claro que a Champions League, a mais desejada, deixamos a desejar mais uma vez. Mas estamos no caminho certo, tem tudo para conquistar a Champions.

Você novamente foi preterido pelo Dunga na Seleção, na convocação para a Copa América. Ainda tem esperança de ser chamado um dia?
Claro, a esperança não pode acabar nunca, tenho que continuar fazendo meu papel dentro de campo e esperar que o treinador olhe para o meu trabalho. Vou continuar trabalhando, cabeça boa, sabendo que estou bem, fazendo meu melhor e deixar para o treinador decidir.

Mas ficou chateado por não ter sido chamado?

Chateado fica, todo mundo quer estar na seleção. É sempre um sonho, mas tenho de ser profissional, respeitar, olhar para frente e estar com a cabeça boa.

O torcedor do São Paulo sempre pergunta quando você volta. Quando será?
Vai demorar ainda um pouquinho, tenho esse sonho de voltar um dia, mas ainda vai demorar um pouco. Tenho de conquistar minhas coisas na Europa, tenho meus objetivos lá, mas um dia, se Deus quiser, eu volto.