Marcio Porto
21/02/2016
18:52
São Paulo (SP)

Nada como um jogo após o outro. Rodrigo Caio que o diga! Chamado de "jogador de condomínio" por Rodrigo Gaspar, assessor da presidência do São Paulo, logo após a derrota para o The Strongest (BOL), o camisa 3 respondeu da melhor forma. Além da atuação segura na reestreia de Lugano, marcou o gol da vitória por 1 a 0 sobre o Rio Claro, neste domingo, no Pacaembu. O Tricolor, assim, se reabilita no Campeonato Paulista e dá um alívio na crise. Apenas um respiro porque, se não fosse Rodrigo Caio, a situação poderia estar pior.

O São Paulo, definitivamente, não jogou bem. A defesa, inclusive Lugano, trabalhou com tranquilidade, até pela fragilidade do adversário, mas os problemas dos últimos jogos persistiram. A equipe de Edgardo Bauza ainda tem muita dificuldade para criar jogadas. Foram raras finalizações para o gol de Lucas Frigeri durante os 90 minutos. A ineficiência deixa ainda mais incompreensível a insistência do técnico argentino em alguns pontos.


Centurión, novamente, foi um desastre. Ao ponto de a torcida ter pedido Rogério aos 17 minutos, após dois erros do camisa 20. Exagero, mas no geral os fãs têm razão. Mesmo com pontas abertos, o São Paulo tem dificuldade de atuar pelo lado direito. Foi melhor do lado esquerdo, com Carlinhos no lugar do barrado Michel Bastos, mas timidamente. O camisa 6, aliás, foi quem cruzou na cabeça de Rodrigo Caio fazer o gol da vitória aos cinco minutos do segundo tempo.

O gol matou o Rio Claro, que tratou de se defender organizadamente e procurar brechas. Mas criou pouco. Alex Silva, tricampeão brasileiro pelo São Paulo, foi destaque no duelo com o argentino Calleri. Bem marcado e pouco acionado, o camisa 12 já está há quatro jogos sem marcar após os três iniciais.

A vitória dá um pouco de tranquilidade para o trabalho de Bauza, mas serve ainda mais de alerta. O futebol apresentado neste início de temporada dá razão aos torcedores que protestaram no Pacaembu, abrindo fogo contra Michel Bastos, mas também com o time. É preciso reagir rápido, porque o clima no vestiário já complicou e a volta de Lugano, apesar de um bom sinal, não pode ser solução.

No fim, o torcedor são-paulino pôde se reencontrar com o ídolo, embora ele não tenha sido o capitão pedido, já que Denis ficou com a faixa. De quebra, também comemorou gol de um jogador criado no clube, com potencial para estar na reformulação de que o clube precisa. Isso é, se outros Rodrigos permitirem.

FICHA TÉCNICA

SÃO PAULO 1 X 0 RIO CLARO
Data e horário: 21 de fevereiro de 2016, domingo, 17h
Local: Pacaembu, São Paulo (SP)
Árbitro: José Claudio Rocha Filho (SP)
Assistentes: Marcelo Carvalho Van Gasse e Diogo Correia dos Santos (SP)
Cartões amarelos: Lugano (SAO); Léo Costa, Thiago Cristian e Maurício (RCL)
Gols: Rodrigo Caio - 6'/2ºT (1-0)
Renda/Público: R$ 315.000,00/7.066 pagantes

SÃO PAULO: Denis; Bruno, Rodrigo Caio, Lugano e Mena; Hudson, Thiago Mendes, Centurión (Wesley 22’/2ºT), Ganso (Rogério 33’/2º), e Carlinhos (João Schmidt 43’/2ºT); e Calleri. Técnico: Edgardo Bauza

RIO CLARO: Lucas Frigeri; Luis Felipe, Alex Silva, João Gabriel e Felipe Saturnino; Maurício, Jean Patrick (Elsinho 33’/2º), Thiago Cristian (João Luís 23’/2ºT) e Léo Costa (Fabrício 33’/2º); Lucas Xavier e Romarinho. Técnico: Sérgio Guedes