Bandeira com o rosto de Bauza no Gigante de Arroyito (FOTO: Fellipe Lucena)

Bandeira com o rosto de Bauza no Gigante de Arroyito (FOTO: Fellipe Lucena)

Felliipe Lucena
07/04/2016
08:05
Enviado especial a Rosário

Edgardo Bauza comandou o São Paulo na vitória por 6 a 0 sobre o Trujillanos (VEN), terça-feira, no Morumbi, e estava muito longe do Gigante de Arroyito enquanto Rosario Central e Palmeiras empatavam por 3 a 3, nesta quarta-feira. Mesmo assim, o técnico são-paulino "se fez presente", tamanha a idolatria dos torcedores do clube argentino por ele.

Em uma loja de artigos não oficiais do Rosario Central bem perto do estádio, a reportagem do LANCE! encontrou cofres com a imagem de Patón nos tempos de jogador sendo vendidos por 30 pesos cada. Nas arquibancadas, tremulou uma bandeira com o rosto do treinador. 

Cofre com a imagem de Bauza (FOTO: Fellipe Lucena)
Cofre com a imagem de Bauza (FOTO: Fellipe Lucena)

Em Rosário, sobretudo entre pessoas que trabalham no Central, é muito comum ouvir diversos elogios a Bauza, quase sempre acompanhados de uma frase:

- Patón? É meu amigo!

Mas não é por ser amigo de todos que o hoje comandante são-paulino ganhou respeito. Edgardo Bauza foi revelado nas categorias de base do Rosario Central e, mesmo sendo zagueiro, é até hoje o segundo maior artilheiro da história do clube. Em clássicos contra o Newell's, ninguém balançou mais redes do que ele: nove vezes. A carreira como técnico começou no clube, entre 1998 e 2001.