Bruno Grossi
12/08/2016
15:18
São Paulo (SP)

O São Paulo adotou cautela para negociar com o Sevilla (ESP) a venda de Rodrigo Caio. O clube paulista foi informado da intenção dos europeus em fazer proposta de nove milhões de euros (mais de R$ 32 milhões), mas a reação imediata foi recuar. A ideia é tentar aumentar a oferta espanhola para mais perto de 15 milhões de euros (R$ 53 milhões), valor tirado pela avaliação de mercado feita pelos dirigentes tricolores.

A diretoria sabe que dificilmente alcançará o montante, que esteve perto de ser pago pelo Atlético de Madrid (ESP) na temporada passada. Ainda assim, mantém a estratégia de ser mais rígido nas tratativas e forçar o Sevilla a abrir mais o cofre por Rodrigo. Na primeira oferta, os espanhóis ainda incluíram bônus de 2,5 milhões de euros (R$ 8,8 milhões) por meta de jogos.

Na venda de Paulo Henrique Ganso, a tática também foi utilizada e ajudou os tricolores a, ao menos, zerar o que havia investido no Maestro há quatro anos. Com Rodrigo, a tendência é que o Tricolor baixe aguarda se a oferta chegar até a 12 milhões de euros (R$ 42,5 milhões). O clube tem 80% dos direitos econômicos, com 10% para o atleta e 10% para um empresário.

O contato do Sevilla com o São Paulo foi feito por outro agente, o conceituado André Cury. Foi ele quem levou Neymar e Douglas para o Barcelona (ESP) e, mais recentemente, Ganso para o próprio Sevilla. Agora, a busca por Rodrigo foi motivada também por pedidos do técnico argentino Jorge Sampaoli, recém-contratado pelo clube espanhol e que acompanhou boa parte da Copa Libertadores da América indo aos estádios sul-americanos.

Atualmente, o Tricolor ainda conta com Maicon, Lugano, Lyanco e Lucão como opções para a comissão técnica escalar a zaga. Douglas foi contratado do Dnipro (UCR), mas aguarda questões burocráticas para ser apresentado e se recupera de lesão antes de iniciar os treinos com o grupo.