Jony

Família de Jony almoça no restaurante argentino 'Che Bárbaro', na Vila Madalena (Foto: Reprodução/Divulgação)

Ana Canhedo
06/02/2016
08:05
São Paulo (SP)

O gol na estreia deu um gás a mais na adaptação de Jonathan Calleri no São Paulo. O centroavante argentino tem se soltado durante os treinamentos no CT da Barra Funda e convencido os colegas de que seus meses no Tricolor Paulista podem ser excelentes. Morando no apartamento do ex-palmeirense e conterrâneo, Pablo Mouche, em Perdizes, Jony recebe sua família, que irá acompanhar as partidas do Tricolor no Pacaembu nos próximos dias. 

Seu pai e agente, Guillermo Calleri, o mais empolgado com o interesse de Edgardo Bauza no futebol de seu filho desde o início das negociações, estará no estádio neste sábado, às 17h, para ver seu camisa 12 debutar como titular do Tricolor Paulista, ao lado do também centroavante Kieza. Chance para Jony conquistar de vez a vaga entre os principais jogadores de Patón, técnico com quem nutre ótima relação.

Bauza não tem duvidas de que nestes pouco mais de cinco meses conseguirá extrair o máximo de Calleri, como exaltou ao ser questionado sobre como estaria a cabeça do jovem jogador com a iminente ida ao futebol europeu no meio do ano, e tem no futebol do argentino uma das principais armas são-paulinas para a Copa Libertadores. Bem como mostrou na estreia tricolor na competição continental, ao colocar o jogador antes da metade do segundo tempo. 

- O torcedor são-paulino pode ficar tranquilo, Calleri é de um caráter ímpar e não teremos problemas para ter o melhor do futebol dele nestes meses, em nenhum momento duvidei de que se entregará totalmente ao São Paulo - disse Bauza, um dia após a estreia do time na Libertadores.

O respaldo do treinador, aliado à personalidade forte do jogador e à presença de vários estrangeiros no elenco, tem feito Jony se soltar a cada treino. No último, nesta sexta-feira, o centroavante vestiu as luvas de goleiro e se arriscou na posição durante o rachão, arrancando risadas dos companheiros. 

Com o uruguaio Diego Lugano, o chileno Eugenio Mena, o colombiano Wilder e o argentino Centuríon, além da comissão técnica toda da Argentina, o espanhol segue como parte da rotina de Calleri. O português, por sua vez, não é problema, como o jogador fez questão de ressaltar em sua apresentação. 

Contra o Água Santa, pelo Paulistão, Calleri tem a chance de se destacar mais uma vez e, quem sabe, agarrar o posto de titular para a decisão de quarta, contra o César Vallejo. Adaptação não será problema.