Dorival Júnior

Dorival Júnior durante entrevista coletiva nesta sexta-feira (Foto: Maurício Rummens/Fotoarena/Lancepress!)

William Correia
18/08/2017
12:50
São Paulo (SP)

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira, Dorival Júnior teve de explicar, sem detalhar, os motivos da saída de Renan Ribeiro do time titular. O técnico também destacou sua irritação ao saber que uma das razões para Gilberto não renovar com o São Paulo é que o empresário do atacante, Sandro Zardo, gostaria de vê-lo mais em campo.

- Empresário deve se limitar a empresariar, não palpitar em relação ao que sente ou não, interferindo no que se faz em campo. Conversei com Gilberto, tenho muita confiança nele. Ficou afastado de muitos trabalhos na minha chegada e, talvez, não tenha sido aproveitado por isso. Mas é um atleta importante. Empresário não tem noção do clube em que ele está para declarar isso. Vou contar com Gilberto até o final, já que tem vínculo e responsabilidade de fazer o melhor pelo São Paulo.

Dorival lembra que Gilberto tem sofrido com problemas físicos e, por isso, não entra em campo com tanta frequência. Mas, apesar de já ter comunicado que não renovará o contrato, que acaba em dezembro, substituirá Pratto, suspenso, no domingo. E é usado como exemplo de que a saída de Renan Ribeiro da equipe nada tem a ver com a complicada negociação de renovação do goleiro, que fica sem vínculo em maio.

- É uma posição minha, não tem nada a ver com outra situação. Só vejo o que acontece em campo. Gilberto não fará renovação e vai jogar, em situação bem semelhante. A mim, cabe ver o que acontece no campo. Todos são capacitados e têm condições de serem titulares, treinador analisa única e exclusivamente o trabalho de campo. Sobre o que acontece na volta, posso fazer um alerta, mas não sofro nenhum tipo de condição para escolher - disse Dorival irritando-se com a relação que podem fazer de sua decisão com a situação contratual de Renan Ribeiro.

- Nem passou pela minha cabeça esse tipo de situação. Sei há mais de 30 dias do processo de renovação do Renan, e não tomei essa posição antes. Não me envolvo. Se eu passar a fazer isso em razão do dia a dia, não teria me capacitado ser treinador de futebol. Não pode misturar. Mexo com seres humanos, não são produtos que você pode mexer de uma prateleira para outra. Para mexer com atleta, você precisa pensar e analisar muito, porque as reações são as mais adversas possíveis. Nada extracampo me faz tomar decisão, não seria correto e leal com profissional.

Por lealdade, Dorival Júnior também preferiu não expor as falhas que fizeram Renan Ribeiro perder sua posição - no último domingo, o camisa 30 cometeu pênalti, e acumulou falhas em gols adversários nas partidas mais recentes. Os reais motivos da saída do goleiro, segundo o técnico, apenas o próprio Renan sabe.

- Se eu falar, vou expor, e não faço isso com ninguém. Foi uma mudança minha, técnica, dentro do que tenho observado. Não quer dizer nada em relação a jogar com os pés, Renan também sabe. É uma decisão em cima do que observei e, o que preciso pontuar, coloquei ao atleta, que é quem precisa saber os reais motivos. Vamos aguardar o que o Sidão pode apresentar - falou Dorival, confiando em Sidão e, também, em Renan.

- Está sendo desenvolvido um trabalho muito sério com todos os goleiros. Espero que o Sidão seja muito feliz nessa volta. Não descarto, em momento nenhum, uma possível volta do Renan, ele precisa ter tranquilidade. Pontuei que não é o fim do mundo, pode buscar melhora futura profissional. Tenho muito respeito por ele, é desagradável portar essa notícia a ele. Dentro daquilo que observo para o futebol, seria o momento de observar um novo companheiro. Que o Sidão aproveite essa oportunidade.

Confira outros temas abordados por Dorival Júnior em sua entrevista coletiva nesta sexta-feira:

Mudanças de goleiros constantes no ano

Não é o movimento ideal, não podemos ter uma situação dessas. O ano para o São Paulo, em razão de muitos fatos, foi muito complicado. Coisas acontecem sem você encontrar equilíbrio, questionamentos acontecem naturalmente muito mais com zagueiros e goleiros.

Constantes mudanças no time
São situações pontuais. Neste ano, São Paulo teve rotatividade alta e afeta equilíbrio da equipe. Trabalhamos para cessar isso e focar em quem aqui está e tirar o melhor deles. Continuaremos a trabalhar com uma peça ou outra, tentando modificar o que não está dando resultado ou não está encontrando equilíbrio, um perfeita sintonia de sistema ou compartimento da equipe. Não é favorável, é ruim para qualquer um, mas precisamos acelerar isso.

Derrotas em confrontos diretos
É uma série de fatores. É um fato que está sendo mostrado e temos de conviver e focar muito mais do que nas outras partidas. O São Paulo vinha fazendo grandes jogos e não alcançando grandes resultados. De repente, não fez um jogo tão bom tecnicamente e alcançou uma bela virada. Precisamos de equilíbrio. É um momento instável, mas vai acabar, para que não carreguemos essa carga excessiva que vem sendo carregada pela equipe.

Recomposição pela esquerda
Depende como for no ataque. Se Cueva estiver por dentro, Hernanes tem essa obrigação. Do contrário, quem preenche é o próprio Cueva.

Reforços
Falei que precisamos cessar chegadas e saídas. Pontualmente, pode chegar um ou outro atleta, mas vamos aguardar um pouco.

Denúncia de Pratto por "jogada violenta"
Eu não estava sabendo. Já vi outras jogadas no Brasileiro e até agressões que não deram em nada, jogada de jogo, nada disso. Tanto é que a própria situação do atleta naquele momento, da decisão tomada, ainda que respeite o que foi definido, a reação dele talvez tenha mostrado que a intenção dele não é nada daquilo que deve ter sido denunciado.

Estratégia contra Avaí
Para cada partida, você imagina uma estratégia, tenta fazer com que as cosias deem certo. Não vou falar disso nesse instante, deixo para a partida. Espero aproveitar as condições apresentadas nos 90 minutos. Às vezes, você espera uma reação do adversário e acontece outra. Você precisa estar preparado para desenvolver o que treinou, mas também para mudança rápida de comportamento para uma eventualidade e, também, surpreender o adversário.