Denis cobra mudança de postura e faz apelo à torcida
LANCE!
07/03/2016
12:33
São Paulo (SP)

Denis não queria, mas foi obrigado a dar explicações sobre o péssimo momento do São Paulo na temporada. O agora capitão são-paulino fez um apelo à torcida e cobrou uma mudança de postura em cada jogador do elenco. Às vésperas do jogo mais importante do ano – contra o River Plate, às 19h30, quinta-feira, no Monumental de Núñez, em Buenos Aires – o camisa 1 acredita ser possível melhorar.

- Eu peço que o torcedor não desista do nosso time, sei que não é uma fase que eles queriam e nem eu queria dar explicação de derrotas ou porque o time não joga bem. Mas eu tenho que erguer minha cabeça. O jogo é importante. Alguns torcedores não entendem, posso garantir que nem nós jogadores entendemos o que acontece. Temos que nos preparar, concentrar ainda mais e nos cobrar mais para que possamos arrumar em pouco tempo e fazer um bom jogo – afirmou, para logo completar:

- De maneira alguma acho que nós jogadores podemos negar que tem algo errado. Queria muito saber o que se passar e pudesse arrumar. Eu acho que é cada jogador tem que ter sua auto análise para que possa render mais do que a equipe está rendendo. Jogar bem, fazer gols, defender mais. Arrumar todos os lados, as peças, para que a nossa equipe volte a jogar bem.

Durante toda sua entrevista coletiva, Denis repetiu o que falta ao São Paulo: cobrança entre os jogadores dentro de campo. Para ele, a postura pouco combativa e reativa da equipe durante os jogos traz o insucesso do elenco.

- O que precisa mudar é a postura de cada de jogador, começando por mim até atingir os outros dez. Querer mais, se doar mais, isso nossa equipe está precisando. Um olhar na cara do outro e cobrar o companheiro, deixar as dificuldades de lado e ajudando um ao outro, é isso que costumamos chamar de time – analisou.

O jogador mostrou surpresa apenas quando questionado sobre uma possível briga entre o elenco após a derrota para o São Bernardo:

- Não sei quem fica inventando esse tipo de coisa, não houve nada disso.