Apresentação do Técnico Edgardo Bauza no São Paulo

Bauza faturou a Libertadores duas vezes na carreira: 2008 e 2014 (Foto: Marcello Zambrana/AGIF/Lancepress!)

Bruno Grossi
07/01/2016
07:05
São Paulo (SP)

A torcida clamou, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva prometeu e o São Paulo caminha para mudar o perfil do elenco para a temporada de 2016. E tudo refletindo a imagem do chefe da companhia, o técnico Edgardo Bauza. O sonho é ter um time tão copeiro quanto o argentino bicampeão da Copa Libertadores da América.

Uma prova desse plano dos dirigentes, liderado pelo diretor-executivo Gustavo Oliveira, é o perfil dos dois primeiros reforços acertados pelo clube. O ídolo Diego Lugano, provável capitão da equipe, e o lateral-esquerdo chileno Eugenio Mena darão poderão manter a experiência do elenco que perdeu Rogério Ceni e Luis Fabiano. O “bônus” será a postura mais aguerrida em campo para apagar a imagem de indolência que marcou os torcedores em 2015.

Lugano sempre foi exaltado pela raça, pelo compromisso com o time e pelas cobranças duras aos companheiros. Já Mena chegou prometendo briga pela bola, pelos jogos e pelos títulos, principalmente o da Libertadores. E, mais do que o discurso, o currículo da dupla fala mais alto.

Os dois carregam, no total, oito títulos em competições eliminatórias. Lugano, campeão da Libertadores de 2005 no São Paulo, ainda foi capitão na conquista do Uruguai na Copa América de 2011. Na edição seguinte do torneio, em 2015, quem sagrou-se campeão foi Mena.

As taças juntam-se à coleção dos jogadores mais rodados que já estavam no elenco. Na relação que iniciou a pré-temporada na tarde de quarta, o recordista em troféus de torneios eliminatórios é Paulo Henrique Ganso, com Copa do Brasil (2010), Libertadores (2011), Recopa Sul-Americana (2012) – esses pelo Santos – e Copa Sul-Americana (2012), já como atleta tricolor.

A lista dos mais “copeiros” agora será liderada por Bauza e Lugano, cada um com cinco conquistas e os dois principais pilares do novo São Paulo que se reconstruiu para 2016. Ainda há a aposta em Rodrigo Caio como um líder mais presente e em Breno, que era usado como exemplo por Juan Carlos Osorio pela maneira como se entregava nos jogos.

O Tricolor tenta de todas as formas alcançar uma resposta ao desgosto da torcida no último ano e um resgate à filosofia da vitoriosa era entre 2005 e 2008 no Morumbi.

Confira a lista de títulos dos "copeiros" do Tricolor:

Bauza

Libertadores (2008 e 2014), Copa Sul-Americana (2010) e Recopa Sul-Americana (2009 e 2010)

Lugano

Libertadores (2005), Mundial de Clubes (2005), Copa América (2011), Supertaça da Turquia (2007 e 2009)

Ganso
Libertadores (2011), Copa do Brasil (2010), Copa Sul-Americana (2012) e Recopa Sul-Americana (2012)

Breno
Copa da Alemanha (2007/2008 e 2009/2010) e Supercopa da Alemanha (2010)

Mena

Copa América (2015), Copa Sul-Americana (2011) e Taça Chile (2012/2013)

Wesley

Copa do Brasil (2010 e 2012)

Michel Bastos
Copa da França (2011/2012) e Supercopa da França (2012)

Alan Kardec
Taça da Liga (2009/2010 e 2010/2011)

Rodrigo Caio
Copa Sul-Americana (2012)

João Schmidt
Copa Sul-Americana (2012)