Bauza - São Paulo

Vinícius Furlan expulsa Bauza após reclamação de vermelho a Matheus Reis (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

LANCE!
03/07/2016
18:48
São Paulo (SP)

O São Paulo está indignado com a arbitragem de Vinícius Furlan, na derrota por 1 a 0 para a Ponte Preta neste domingo, em Campinas. Ainda no vestiário do Moisés Lucarelli, o técnico Edgardo Bauza, expulso por reclamação, bradou contra os erros do árbitro e viu o diretor de futebol José Jacobson prometer formalizar uma reclamação na comissão de arbitragem.

'Se a falta tivesse sido tão grave, o jogador não teria voltado a jogar. Depois o técnico ainda o tirou porque percebeu que seguramente iriam expulsá-lo. E eu fui excluído porque saí da área técnica...' desabafou Bauza

- Os critérios utilizados foram totalmente distintos. Fomos prejudicados em um lance aos sete minutos (expulsão de Matheus Reis) e em seguida sofremos uma cotovelada a dois metros do quarto árbitro, que disse que não viu. Vamos ao Rio de Janeiro falar com a comissão. Não queremos ser ajudados, só queremos igualdade nos critérios - bradou Jacobson, sobre audiência marcada na CBF para as 11h30 desta segunda-feira.

O vermelho aplicado a Reis aconteceu um minuto depois de Furlan ter aplicado cartão amarelo por entrada dura em Matheus Jesus. A Ponte chegou a cobrar a falta rapidamente, quando o juiz paralisou a partida a pedido do auxiliar Bruno Salgado Rizzo. Depois de ver que Jesus estava com um ferimento na canela, Furlan voltou a campo e expulsou o lateral-esquerdo são-paulino.

- Jogamos quase toda a partida com um a menos. Vamos embora tristes. E pedindo que o árbitro tenha ao menos um critério igual com a gente na próxima partida. Nunca vi isso. Perguntei por que ele tinha dado o vermelho e ele disse que a falta foi violenta. Se os árbitros se deixam influenciar por jogadores, técnicos e torcedores, precisam fazer outra coisa. É preciso aplicar um regulamento, se ele existe - reclamou Bauza.

'Para mim foi um lance de jogo, não entendi os critérios do árbitro', questionou Alan Kardec, no intervalo

Patón, o auxiliar José Daniel Di Leo e o capitão Diego Lugano se revoltaram com Furlan, mas apenas o técnico argentino foi expulso. Assim, ele não poderá comandar o Tricolor no próximo domingo contra o América-MG, no Morumbi. A ira contra o árbitro seguiu em dois lances em que Matheus Jesus e Fábio Ferreira deixaram o braço no rosto de Centurión e Calleri, respectivamente.

- Seres humanos podem errar, mas não usar critérios diferentes. Se para o quarto árbitro e o árbitro a falta era para expulsão, que usassem o mesmo critério com quem nos acertou na cara - encerrou.