Artur - São Paulo

Contra o Vitória, Artur ficou no banco e pôde encontrar o irmão Norberto, lateral do adversário (Foto: Fernando Nunes/saopaulofc.net)

LANCE!
18/06/2016
15:26
São Paulo (SP)

Como de costume, o São Paulo fez treino fechado na manhã deste sábado, mas as pistas da escalação da equipe para encarar o Flamengo, em Brasília, foram dadas pelo site oficial do clube. O quarteto de ataque que fez o time arrancar na Copa Libertadores da América retorna após um mês e Edgardo Bauza promoverá a estreia do quarto garoto formado em Cotia no ano.

A novidade vinda das categorias de base será o volante Artur, de apenas 20 anos. Titular nas conquistas recentes da categoria, incluindo a Libertadores, ele deve ocupar o posto deixado pelo suspenso Thiago Mendes ao lado de João Schmidt. Quem também cumprirá suspensão é Diego Lugano, que dará lugar a Rodrigo Caio, de volta da Seleção Brasileira. A única dúvida está na lateral direita: se Bruno for preservado, Caramelo será o titular.

- Bauza me orienta bastante e todos os dias aprendo algo novo. Além dele, o José Di Leo (auxiliar) também passa tranquilidade e gosta de conversar. E acredito que isso tem contribuído bastante. Trabalho forte e me dedico bastante para agarrar a oportunidade quando ela chegar. A expectativa de poder estrear é grande, e por isso tenho me preparado bem - projetou Artur.

No setor ofensivo, Paulo Henrique Ganso, Kelvin, Michel Bastos e Calleri serão titulares juntos pela primeira vez desde a classificação para a semifinal da Libertadores, contra o Atlético-MG. Depois da partida do dia 18 de maio, Michel só atuou 30 minutos, quarta-feira, contra o Vitória. Jony fez dois jogos, Ganso passou período com a Seleção e Kelvin não encarou apenas os baianos.

- Estou muito feliz em voltar a ter condições de ajudar. Vamos buscar a vitória que nos dará tranquilidade para seguir nossos objetivos - disse Michel.

A trajetória do quarteto coincide com a arrancada do São Paulo na temporada. Eles jogaram juntos pela primeira vez contra o Trujillanos (VEN), no Morumbi, quando o Tricolor venceu por 6 a 0. Calleri fez quatro gols, Kelvin marcou outro, enquanto Michel e Ganso anotaram uma assistência cada. A equipe embalou e, de desacreditada, passou a ser a única brasileira na Libertadores.