Ataíde Gil Guerreiro (Foto: Divulgação)

Ataíde Gil Guerreiro agora é diretor de relações institucionais do São Paulo (Foto: Divulgação)

Bruno Grossi
19/03/2016
15:33
São Paulo (SP)

Além do treino que definiu a escalação para o duelo contra o Ituano, a manhã deste sábado no São Paulo ficou marcada pela despedida de Ataíde Gil Guerreiro. O cartola foi afastado da vice-presidência de futebol na última sexta-feira e foi ao CT da Barra Funda para se despedir da comissão técnica e dos jogadores, que demonstraram tristeza pela queda do dirigente.

- Ficamos sabendo ontem (sexta), mas foi hoje (sábado) que tivemos uma reunião de despedida com o Ataíde. Ele agradeceu por todo o tempo em que estivemos juntos e até alguns jogadores pediram a palavra para agradecê-lo pelo grupo. Era uma pessoa boa no dia a dia, que sempre acrescentava coisas boas - revelou o lateral-direito Caramelo, em entrevista ao LANCE!

Além dos atletas, outras duas pessoas se pronunciaram durante a reunião para agradecer Ataíde pelos serviços prestados ao futebol do clube. O técnico Edgardo Bauza e o chefe do departamento de análise de desempenho, Milton Cruz, desejaram sorte ao cartola, que agora ocupará o cargo de diretor de relações institucionais. Quem também se despediu foi Rubens Moreno, substituído por Luiz Cunha como diretor de futebol.

- Infelizmente a imprensa e a torcida apontaram o Ataíde como responsável por toda esta fase ruim. Tudo sobrou para ele, mas dentro do grupo estamos tristes, porque sempre ajudou e somou. Aconteceu, mas que sirva de incentivo para a gente vencer. Foi uma decisão política, veio de cima e não a cabe a nós reclamar muito. Agora é trabalhar -  lamentou Caramelo, antes de continuar:

- Ficamos chateados com a saída dele, até mesmo porque foram nossos resultados ruins que acarretaram nisso. A única forma de melhorar o ambiente agora é vencendo. E precisa ser de todo jeito contra o Ituano (às 16h deste domingo, pelo Campeonato Paulista). Será uma coisa boa, um presente para o Ataíde, que pediu que voltássemos a vencer logo - finalizou. 

A passagem de Ataíde pela vice-presidência de futebol durou 23 meses, durante as gestões de Carlos Miguel Aidar - que renunciou em outubro de 2015 - e Carlos Augusto de Barros e Silva. A saída, decretada por Leco, inflamou os grupos políticos de Ataíde e Rubens Moreno, que criticam a falta de diálogo do atual presidente. Já a oposição reclama que Ataíde segue na diretoria.