Chávez - São Paulo

Patón já deu as primeiras orientações a Chávez no treino de terça-feira (Foto: Érico Leonan/saopaulofc.net)

Ana Canhedo e Bruno Grossi
27/07/2016
06:35
São Paulo (SP)

O São Paulo, enfim, recebeu seus dois mais novos gringos no elenco. Enquanto Andrés Chávez pôde treinar – e brilhar – pela primeira vez no CT da Barra Funda, Julio Buffarini teve a saída do San Lorenzo (ARG) avalizada pela Fifa. Os argentinos devem ser apresentados pelo Tricolor nesta semana e podem se ajudar na adaptação ao time de Edgardo Bauza.

Buffarini passou por experiência na carreira que pode ser bastante útil para Chávez no clube paulista. No San Lorenzo, atuava como meia e ponta direita, mas só se firmou quando aceitou os conselhos de Juan Antonio Pizzi, atual treinador da seleção do Chile.

A mudança de posição coincide com o período de maior crescimento de Buffarini, com o ápice na conquista da Copa Libertadores da América de 2014 ao lado de Bauza. E é isso que Patón precisará buscar para resgatar o futebol de Chávez - foram 16 gols em 2012/13 e 22 em 2013/14, mas oito em 2015 e somente quatro nesta temporada. 

Na Argentina, a avaliação é de que o Comandante caiu de rendimento quanto o Boca Juniors (ARG) passou a jogar com três atacantes e Chávez foi deslocado para a ponta esquerda. Quando foi centroavante, também não produziu. Os melhores momentos foram como segundo atacante em um 4-4-2, que tinha o ex-tricolor Jonathan Calleri na referência.

Curiosamente, Bauza crê que poderá fazer Chávez render justamente na ponta esquerda, com entradas esporádicas como centroavante. Patón não abriu mão do esquema com dois pontas, um meia e uma referência na área em nenhum momento na temporada, o que indica uma necessidade do novo reforço se adaptar rapidamente.

No treino de terça, os quatro gols – incluindo o de bicicleta – saíram quando Chávez não guardou posição na ponta esquerda. E Bauza avisou: melhor esperar o treino tático, no campo inteiro, para tirar conclusões sobre Chávez.