Léo Saueia e Russel Dias
18/06/2016
07:00
Santos (SP)

O Santos de Dorival Júnior não nega as origens, leva o DNA ofensivo para onde pode. Mas ultimamente, a qualidade técnica tem chamado a atenção na defesa do Peixe, mais precisamente na meta. O Santos não levou gols nos últimos três jogos. Ou seria Vanderlei quem garantiu a retaguarda?

Se o camisa 1 se sente bem na Vila Belmiro, deve se sentir também na Arena da Baixada, onde o Alvinegro encara o Atlético-PR neste sábado, às 18h, pela 9ª rodada do Brasileirão.

Nos tempos de Paranavaí e Coritiba, ele jogou no estádio 20 vezes: venceu oito partidas, empatou outras oito e só perdeu quatro.

Não há sequer um jogo que Vanderlei vai à Arena da Baixada e não é vaiado pelos anfitriões, fato que retrata suas defesas contra o Furacão.

- Rivalidade é normal. No futebol isso é bom. Ano passado me xingaram o jogo todinho lá na Arena da Baixada. Estamos acostumados. Temos que buscar o resultado fora de casa também, por isso estamos no G4 - comenta o goleiro.

Embora a regularidade do arqueiro seja um fator determinante para o Peixe estar no G4 do Brasileiro, Vanderlei acredita que deve melhorar.

– Eu, particularmente, queria estar até melhor. Acho que tivemos alguns resultados que não esperávamos. O próprio jogo contra o Figueirense, que sofremos um gol nos acréscimos. Acho que estamos crescendo no momento certo. No Brasileiro tem aquela oscilação. Temos de crescer no momento certo – diz o experiente jogador de 32 anos.

Por duas vezes desde o ano passado, Vanderlei ficou sem tomar gols por quatro jogos. Hoje, se as últimas atuações se repetirem, o goleiro vai caminhar para bater um recorde pessoal no clube. Mas segundo Vanderei, a marcação do time tem sido essencial para que o adversário chegue cada vez menos em sua área.

– Os atacantes desde lá na frente marcando e a bola chegando pouco no nosso gol. Sabemos que se não levarmos gols facilita pra gente – analisa, como um dos líderes.

Desde que foi contratado pelo Santos, Vanderlei foi vazado 70 vezes em 77 jogos, uma média de menos de um gol sofrido por partida.

Se depender do currículo do número 1 do Peixe, o ataque do Atlético-PR terá de estar com a pontaria em dia porque Vanderlei não está disposto a deixar o G4, muito menos a perder na Arena da Baixada.

"Se pudesse, eu ficava o campeonato todinho sem sofrer gol, o ano todo até, mas sabemos que é difícil", afirmou

Confira o bate-bola com o goleiroi:

Você comemora esses três jogos sem levar gols?
Se pudesse, eu ficava o campeonato todinho sem sofrer gol, o ano todo até, mas sabemos que é difícil. Sabemos que tem jogadores de qualidade que em um lance pode mudar o jogo e não tem como prever. Nossa equipe está marcando muito bem no campo todo. Os atacantes desde lá na frente marcando e a bola chegando pouco no nosso gol. Sabemos que se não levarmos gols facilita pra gente.

Geralmente, goleiros recebem mais cobranças do que elogios. Como vê a regularidade da defesa?
Lógico que queremos regularidade. Atrás da gente (goleiros) só tem as redes. Se não fizermos nosso melhor fica difícil. Graças a Deus, tenho sido muito regular. Acho que essa é uma das minhas principais características desde o início.

Além de três jogos sem sofrer gol, o Santos venceu essas partidas. Como manter o ritmo?
Queremos estar brigando pelas primeiras posições. O Campeonato Brasileiro é bem equilibrado, não tem jogo fácil. Fora ou dentro de casa, as equipes tem uma qualidade muito grande. Estar no G4 é importante. Temos de ter uma sequência boa. Vimos de três vitórias e queremos ainda mais para continuar brigando.

A que se deve o fato do Santos estar no G4 no começo do Campeonato Brasileiro?
Teve manutenção da comissão técnica, do elenco e a atitude. Não adianta só falar, todo mundo fala, se a gente em campo não fizer nosso melhor, não buscar os resultados, não adianta. Conseguimos na rodada passada uma vitória fora de casa. Brasileiro é assim. Sabemos que faltou isso ano passado. Essas vitórias fora de casa. Sabemos que vai ter uma sequência fora, mas vamos dar o nosso máximo.