Russel Dias
06/02/2017
06:00
Santos (SP)

Competitividade é palavra de ordem para qualquer time começar bem um campeonato. No Santos de 2017, a disputa não será apenas contra times do Paulistão, Libertadores, Brasileiro ou Copa do Brasil. Neste ano, a briga começa no CT Rei Pelé e será todos os dias. Com 37 jogadores e seis novos reforços, a concorrência para achar uma vaga no time é grande.

No entanto, a primeira amostra para a torcida foi uma goleada de 6 a 2, com direito a boas atuações de Lucas Lima, Vitor Bueno e Copete, trio titular desde o ano passado, que tem a sombra de Vladimir Hernández, Kayke e sobretudo Bruno Henrique, reforço mais caro do Peixe, que custou R$ 14 milhões.

Com isto, o treinador foi claro e deu um aviso aos recém-chegados: só terá chances no time titular quem mostrar que merece nos treinamentos. Para isso acontecer, o trio ofensivo não poderá oscilar.

- Não tem problema de idade, de ser contratado de fora ou não. Quem pedir espaço, querendo ocupar, vai ter preferência. Esse menino (Arthur Gomes) vem mostrando em campo. São grandes profissionais, foram contratados, e respeito o momento. Quem saiu na frente tem preferência desde que mantenha postura apresentada. Teremos muitos jogos e situações. Precisarei fazer opção em determinado momento - explicou Dorival, elogiando o garoto Arthur Gomes e se referindo aos últimos contratados posteriormente.

Além do bom começo de ano, Copete, Lucas Lima e Vitor Bueno trazem na bagagem boas referências da última temporada. O novo camisa 7 terminou o ano com 13 gols e seis assistências, enquanto o colombiano anotou 12 tentos e deu cinco passes para gol. O camisa 10 deixou cinco bolas nas redes, mas serviu dez vezes os companheiros para seguirem o caminho das redes.

Embora bem recomendados, Bruno Henrique e Kayke trazem do ano passado números inferiores e contam com a pesquisa de outros anos, em que atuaram por Goiás e Flamengo, respectivamente, para contar com a confiança de Dorival para brigarem por espaço.

Embora o placar elástico da estreia exalte o bom desempenho do setor ofensivo, o meio-campo formado por Renato e Thiago Maia não escapa dos elogios do comandante e deixam Leandro Donizete, ex-titular do Atlético-MG, nas mesma situação dos reforços do ataque. O novo camisa 30, que segue em recuperação de uma tendinite na perna direita, terá que muito trabalho pela frente mesmo quando deixar o departamento médico.

A SITUAÇÃO DOS SEIS REFORÇOS DO PEIXE

Bruno Henrique


Atacante estava na Alemanha até semana passada resolvendo pendências de mudança para o Brasil e treinou pela primeira no CT Rei Pelé no último sábado. Não participou da pré-temporada em conjunto com o elenco do Wolfsburg (ALE) e pode precisar de uma semana para recondicionar parte física. É apresentado hoje.

Kayke

Foi registrado no Boletim Informativo Diário da CBF na última sexta-feira. Apesar de ter sido regularizado, sofreu uma fissura na mão esquerda enquanto fazia exercício na academia e deve perder até três jogos. Já participou de treinamentos e amistoso.

Vladimir Hernández


Colombiano apresenta bom condicionamento físico nos treinos e aparenta estar preparado para atuar, como fez diante do Kenitra, em amistoso, em que balançou as redes. Porém, falta de visto e documentação adiam estreia. Camisa 16 agradou a comissão técnica.

Leandro Donizete


Já regularizado e registrado no BID, volante trata uma tendinite na perna direita. Previsão era para que ficasse no banco de reservas diante do Linense, mas comissão técnica preferiu dar mais tempo para recuperação e recondicionamento físico.

Cleber

Zagueiro também tem o nome no BID e estava se recuperando de dores na panturrilha direita e fazendo compensação muscular nas coxas. Deve aparecer no banco de reservas já no próximo domingo, diante do Red Bull, no Pacaembu. Será inscrito no Paulista nesta semana.

Matheus Ribeiro


Lateral-direito foi o primeiro dos seis reforços que apareceu na lista de relacionados e ficou entre os suplentes na estreia do Paulistão. Camisa 13 não entrou na partida, mas pode ter chances até como meia ou ala, sem precisar, necessariamente, substituir Victor Ferraz para ser aproveitado.